CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

24 de novembro de 2012

CLUBE DA MADRUGADA – 58 ANOS

Posse de Evandro Carreira (à dir.), Luiz
Bacellar (de chapéu) e Nestor Nascimento.
Ao centro, Jorge Tufic e, no alto, de barbas,
Anísio Mello 
No final da manhã, passava pela praça da Polícia, ali onde agora se encontra o Café do Pina, quando fui surpreendido pela homenagem ao Clube da Madrugada. De fato.  Dia 22 de novembro é a data da decantada madrugada sob o mulateiro. Dizem que o mulateiro não é mulateiro, mas o certo é que ele segue, não muito firme, marcando a história de poetas e escritores que se abrigaram sob este clube indefinido. Não cabe agora  tomar a discussão.

Mas, lá estava o acadêmico Elson Farias recebendo as louvações, ele que participou da segunda geração, tão nobre quanto, do Madrugada. O responsável pela lembrança foi o pessoal do Projeto Jaraqui, que se esgoela todos os sábados debatendo temas de absoluto interesse da comunidade, que quase sempre não comparece. Na verdade, não aparece.

Assim lembrado, registro nos 58 anos do CM a vida de raros fundadores, Jorge Tufic, que chega em dezembro para sentir o calor e refastelar-se com o black; Francisco Vasconcelos, que esteve mês passado na posse do acadêmico Renan Freitas Pinto; Saul Benchimol. E, parece que somente... pois o dono da marca -- Clube da Madrugada, segundo registro imemorial, foi-se este ano – Luiz Bacellar.

A festa de hoje contou ainda com o ex-presidente do CM Evandro Carreira e do sucessor do “jovem” Pina, fundador do Pavilhão São Jorge, ainda em frente ao cine Guarany.

Clube da Madrugada, em novembro de 1990, na praça da Polícia