CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

17 de junho de 2018

MEUS CUMPLEAÑOS



Roberto Mendonça, hoje
Completo hoje 72 junhos bem vividos, com a pretensão de alcançar minimamente a idade de meu falecido pai. Sou oriundo de uma amarração bem peculiar em nosso planeta amazônico: de Manuel, nascido em Caballococha, pequena cidadela peruana plantada no lago de mesmo nome, quase na esquina da fronteira com o Brasil. Com Francisca, nascida no lago do Anveres, no cipoal destes acidentes geográficos achados adiante do Encontro das Águas, então um distrito de Manaus.

Manuel e Francisca encontraram-se na condição de empregados na Fábrica Rosas, da poderosa empresa J.G. Araújo, sucedânea da Fábrica Bijou, situada na avenida Sete de Setembro, tendo a Praça da Polícia por referência. O casarão centenário ainda se mantém ativo abrigando no térreo uma loja TV Lar.

Noivos, viajaram para Iquitos, capital do departamento de Loreto (Peru), onde se matrimoniaram. O casal pretendia ali se estabelecer, até arriscou, porém, diante de adversidades, empreendeu o retorno para Manaus, trazendo formatado o primeiro filho.
Nasci, ainda que gestado nesse poderoso caudal de nossa hidrografia, em terra firme, no barranco do Educandos, então bairro de Constantinópolis.    
A rua Inácio Guimarães foi meu primeiro endereço, pois ali eu nasci, certamente minha mãe assistida por uma parteira. Nesse momento, resido a rua Salvador, em Adrianópolis. Entre aquele 1946 e este ano, já passei por mais de trinta endereços, tema de um inventário que estou concluindo. Farei um esboço, nesta data querida.

De Educandos, ainda infante, passei ligeira temporada no Rio de Janeiro da primeira Copa do Mundo. Novamente estive na rua Inácio Guimarães, com mudança para o beco São José. Veio a mudança para o Morro da Liberdade, quando eu já estava interno no Seminário, à rua Emilio Moreira, na Praça 14.
Em três oportunidades, residi no Rio de Janeiro. Uma, já relatada, as outras por obrigação de estudos militares, com endereço em Deodoro e Botafogo. E, por falar em curso, estive em Fortaleza e Florianópolis. Selecionado para o Mestrado em História, tive residência em Boa Viagem, na capital pernambucana.

Em Manaus, passei uma temporada nos bairros de Aparecida, da Praça 14 e na Betânia, e duas, em São Jorge; ainda morei nos conjuntos Tiradentes, Santos Dumont, Dom Pedro e Coophasa. Para encerrar essa apresentação, asseguro que morei por seis vezes no Centro, nas ruas Igarapé de Manaus (3x), Saldanha Marinho, avenida Sete de Setembro e na Praça Ribeiro Junior, já desaparecida.

Agradeço sensibilizado as manifestações de amizade da família e dos amigos, esperando retribuir em breve.

16 de junho de 2018

O CLOWN DE L. RUAS NO PROJETO JARAQUI

Ocorreu hoje, como anunciado, a comemoração dos 60 anos da publicação de Aparição do Clown, livro do padre-poeta L. Ruas. Deve ter sido inédito essa pauta, visto que o Projeto se ocupa grandemente de assuntos políticos.
Local da manifestação, na Praça da Polícia

No entanto, com a presença do professor Osvaldo Gomes Coelho, emérito político, do próprio dirigente do movimento, e outras autoridades, observou-se a atividade política do padre Luiz Ruas.
O lançamento do livro ainda será relembrado em diferentes espaços, como a EE Luiz Ruas, no Zumbi 3; em espaço de jornais e de academia.
Apoiado por amigo do saudoso autor do Clown, organizei a coleção com toda a poesia deste poeta. O livro pode ser encontrado, ao preço simbólico de R$ 10,00, em sebos existentes na Praça da Polícia.
Agradeço ao professor Ademir, que conduz o Projeto, pela oportunidade de relembrar o esquecido padre-poeta. Ao amigo Zemaria Pinto, pelas observações competentes que manifestou hoje pela manhã no palco da homenagem.

ARMANDO DE MENEZES E SEU CHÁ




Armando, dirigindo o encontro
Ontem, 15, completou o primeiro ano do falecimento do amigo Armando Andrade de Menezes, fundador da confraria Chá do Armando. Sob essa alcunha, reuniam-se amigos dele, em algum lugar de Manaus, com o objetivo salutar de jogar conversa fora, poesia e alguma maledicência, ingerir repetidas doses de uísque e outros derivados e um tanto de polifenol. Gostoso aperitivo!

A data teve duas lembranças: a missa celebrada na paróquia de Nossa Senhora de Nazaré, em que a família Menezes relembrou os bons momentos deste saudoso chefe e acolheu os votos pesarosos dos amigos e admiradores.

A segunda, cumpriu a liturgia de tantas sextas-feiras: a conversa em torno do Chá, reunindo os derradeiros chazistas. Aconteceu em meu endereço. Aqui, duas decisões foram tomadas, que deverão esquentar as futuras reuniões – haverá apenas um encontro mensal, sempre na primeira sexta-feira do mês e, a segunda, deve acontecer em residência de algum participante.

Com isso, vamos dar continuidade ao hábito salutar estabelecido pelo saudoso Armando, o de reunir cada vez mais amigos interessados na melhor convivência. Deus nos ajude.

13 de junho de 2018

DIA DE HENRIQUE ANTON7O



O aniversariante de hoje é um homem excepcional, para mim, afinal trata-se de meu primeiro irmão. Junto à família, era conhecido por Antonio, porém, o exercício profissional na Petrobras e outros empreendimentos congêneres, o fizeram conhecido pelo primeiro nome. Henrique homenageia ao avô paterno e Antonio, ao Santo do dia.
Henrique Antonio (1948)

Alcança hoje os Setentanos, nascido no bairro de Educandos (quando ainda era Constantinópolis), hoje morador da Barra da Tijuca, no Rio. Dividimos a mesma residência-taberna na rua Inácio Guimarães, antes de seguirmos com a família para uma empreitada mal sucedida no Rio de Janeiro, da primeira Copa do Mundo.

Concluído o ensino médio, e antes dos vinte anos, Antonio desembarca em São Paulo e passa a enfrentar aquele mundo. Dureza, como todo início, mas consegue com brilhantismo “vencer na vida”. Mesmo tendo que se ausentar de casa, da família, por obrigação profissional.

Deixando São Paulo, abrigou-se no Rio de Janeiro, onde reside com a esposa e a filha, e neste dia certamente vai brindar com os seus essa bela etapa da vida. Enfim, Setenta Anos só se completa uma vez.

Parabéns, mano, que o Santo do dia permaneça abençoando você. Você merece!

12 de junho de 2018

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

Jefferson Peres

Em 1989, a Câmara de Vereadores de Manaus inaugurou a 10ª legislatura, com 21 vereadores. Os nomes são por demais conhecidos, alguns ainda participando da política. Entre os abaixo relacionados, conta-se um governador e senador (Omar Aziz); um prefeito (Serafim Correa); dois senadores (Jefferson Peres e Vanessa Graziotin), dois deputados federais (João Pedro e Mario Frota), afora os que alcançaram a Assembleia Legislativa e prefeituras do Interior . Enfim, um registro especial para o secretário de Cultura – de duas décadas e quebrados (Roberio Braga).


No mês de março [1990] foram realizadas treze reuniões, sendo dez ordinárias; duas sessões solenes e uma especial.

VEREADORES
(Presenças) (Ausências)
Edgar Martins de Mesquita                    10              03
Manoel de Castro Paiva                           10              03
Messias da Silva Sampaio                        08             05
Roberto Alexandre Alves Barbosa         11               02
Johnny Eduardo D’ Carli                         04             09
Omar Abdel Aziz                                       09               04
Vilson Gomes Benayon                            05              08
Otalina Loureiro Aleixo                           06              07
Manoel Marçal de Araújo                        12               01
João Batista Noronha                              (*)
Antônio Paulo Carioca                             (*)
Cesar Cerqueira Bomfim                         11               02
Robério dos Santos Pereira Braga         10              02 (*)
Vanessa Grazziotin                                   13                =
João Pedro Gonçalves da Costa             09              04
Maria de Lourdes Lopes de Oliveira     11               02
Omar Aziz
Serafim Fernandes Corrêa                      13                =
José Mário Frota Moreira                       02              11
José Jefferson Carpinteiro Peres           13               =
Domingos Sátiro Leite Filho                   11               02
Miquéias Mathias Fernandes                  11              02

(*) Ausências justificadas

Francisco Monteiro de Lima
Diretor de Assuntos Parlamentares
atualizado em 13.06.2018