CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

22 de outubro de 2011

Mostra do filme etnográfico


A Mostra do filme etnográfico começou ontem no Palacete Provincial, com discursos, homenagem e coquetel. A significação deste empreendimento, que já se consolidou, deve-se a professora Selda Vale, pois, ela realiza tudo.
Na abertura, ela voltou ao palco três vezes, para diversas funções. Enfim, para encerrar a festa, lá estava ela retocando a mesa dos frios e dos coquetéis. Sucesso, professora Selda Vale, vida longa para você e sua MOSTRA.
O festival de filmes segue até dia 27, entrada franca, veja programação abaixo:

Material de divulgação
A Mostra Amazônica do Filme Etnográfico, uma realização do Núcleo de Antropologia Visual (NAVI) Ufam, veio para ficar na agenda cultural da Cidade de Manaus e dos interessados no estudo das imagens produzidas nesta imensa biosociodiversidade cultural, chamada Amazônia.
A V Mostra dá continuidade ao projeto iniciado em 2006, visando a divulgação de filmes produzidos nas Amazônias e a reflexão acerca da representação imagética da região no documentário e no filme etnográfico, além de promover o diálogo entre realizadores e
pesquisadores e preocupar-se com a formação de um olhar mais qualificado, um olhar antropológico, um diálogo visual com o "outro".
Nesta quinta edição da Mostra, o homenageado é o cineasta amazonense Aurélio Michiles, que, como aponta Leyla Leong, o "conjunto da sua obra faz dele o intérprete imagético da Amazônia".

Parte da programação da Mostra
Continua Leyla, sua obra "tem sido marcada pela constância e continuidade da temática social, com foco preciso sobre a memória da Amazônia". A mostra Aurélio Michiles, composta de 10 documentários, certamente permitirá visualizar as imagens produzidas e compreender o universo fílmico criado pelo autor.
A V Mostra rende homenagem também ao pioneiro do cinema brasileiro, o luso-amazonense Silvino Santos (1886-1970) pelos seus 125 anos na memória daqueles que vêem em suas imagens um registro da historia da região e um olhar, artístico e técnico como nenhum outro, sobre' a vida nesta parte do mundo. Trabalho, cidade e povos indígenas são os focos do seu olhar nesta Exposição. (Divulgação)