CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

5 de outubro de 2010

Manáos versus Manaus IV

Volto a mostrar um detalhe do Centro Histórico, o cruzamento da avenida Joaquim Nabuco com a rua Lauro Cavalcante, onde hoje se encontra o edifício David Novoa.
A foto antiga, possivelmente de 1950, mostra a Fábrica de Móveis Teixeira & Couteiro, ambos portugueses. Os móveis eram fabricados com madeira de lei, como recomendava o catálogo da época. Pode-se perceber os trilhos de bondes que circulavam naquela artéria, e o poste de ferro sem nenhum acessório, para a distribuição da energia elétrica.
Na porta do comércio-residência encontra-se seu Joaquim Teixeira e família. Sentado, ele cuida do "fila brasileiro"; dona Laurinda, a esposa, da Rosalina, enquanto, escondido pelo pai, vê-se com esforço o Fernando.


Fábrica de móveis, de Teixeira e Couteiro, c1950
 O casal ainda teve mais filhos. Um deles, o Jorge Leite, me relatou esses pormenores. Amigo de longa data, Jorge tem bons poemas escritos, apenas os esconde com o carinho e o ciúme peculiar dos poetas. Um dia, hei de publicá-los.


Couteiro, no Luso,
1º maio 1977

Seu Couteiro, o outro proprietário, pertencia à direção do Luso Sporting Clube. E a foto dele que ilustra a postagem foi tirada por ocasião dos 55 anos daquela sociedade, em 1977.

A sociedade dos portugueses na movelaria durou até 1954. Seu Teixeira, então, instalou-se na rua Ipixuna, agora sob a denominação de Fábrica de Móveis São Jorge. Entre as realizações da marcenaria, Jorge Leite lembra que o pai fabricou a primeira cadeira episcopal para Dom Alberto Ramos; e elaborou a mobília da casa "bolo confeitado", pertencente ao saudoso Ermínio Barbosa, ainda existente na avenida Joaquim Nabuco.



Ed. David Novoa, outubro 2010
Novoa, ainda importante edificação do Centro
No início dos anos 1970, foi levantado o prédio David Novoa. Depois que os trilhos desapareceram sob o asfalto e o poste de ferro trocado por de cimento. Imponente para os primeiros momentos da Zona Franca de Manaus, o Novoa dispunha de dezessete andares e amplos apartamentos com quartos de bom tamanho. Como ainda não se desconfiava da proliferação de automóveis, são poucas as vagas para estacionamento.