CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

30 de agosto de 2012

Prefeito de Manaus



Amazonino Mendes, foto de
Carlos Navarro, 2011
O prefeito de Manaus, Amazonino Mendes, hospitalizado em São Paulo, vai muito bem obrigado. Aleluia. No curso da eleição para seu substituto, tudo se tem dito sobre o enfermo. Não sei se é ele ou é Manaus que precisa de tratamento paulista. Para a cidade, melhor em outro local, porque, nesse sentido, o governo de São Paulo vem sacudindo a nossa Zona Franca. 

Agora, uma lição bem dada deixa o senhor Mendes, ao mostrar que não há obrigação de vice-prefeito para governar a cidade. Manaus sabe, conhece que seu vice, Carlos Souza, renunciou ao ser empossado deputado federal.

A partir dessa época, há dois anos, o substituto do prefeito passou a ser o presidente da Câmara. Nada ilegal, ao contrário. Mas, como esse regra-três encontra-se impedido de assumir pelas eleições municipais, veio a grande lição. A Câmara aprovou com extrema celeridade o projeto do Executivo que modificava as regras da substituição, incluindo o auxiliar de confiança do prefeito Amazonino.

Publicado o ato em DOM, assumiu o bacharel João dos Santos Pereira Braga, procurador-geral de Justiça do município.

Essa aula nos leva a outra mais rendosa: a de que não existe precisão de se eleger o vice-prefeito. Pois, se mais adiante houver necessidade, basta recorrer à cartilha amazonina 

Assim, já temos novo Prefeito interino. Lamentavelmente, este promete ser apenas discreto. Basta de discrição, doutor João Braga, pois é dessa maneira que o prefeito Amazonino (des)cuida de Manaus. Faça alguma coisa pela nossa cidade!