CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

4 de novembro de 2011

Dia Nacional da Cultura

Revista Plus, Diário do Amazonas, editora Mazé Mourão
Depois que a edição da revista Plus (jornal Diário do Amazonas), domingo, 9 de outubro, anunciou a abertura da centenária Biblioteca Pública para o dia 5 de novembro, passei a contar os dias. E, na condição de morador do centro, vejo diariamente a biblioteca. Os dias passando, e nada que identificasse a sua reabertura ao público.
Hoje, véspera da prometida abertura, descubro que a publicação da revista, de responsabilidade da imortal Mazé Mourão, fora uma “propaganda enganosa”. Para quem devo reclamar? Responde o adágio, que para o bispo. Então tá. Moro na ilharga da residência episcopal, logo passo por lá.

Dr. Roberio Braga segura o Missal
Lembro que as declarações expressas no periódico são de autoria, ditas e fotografadas, do secretário estadual de Cultura, Robério Braga, prometendo com as mãos sobre o medieval Missal do acervo. Portanto, caríssimo secretário, promessa é dívida! Abra a biblioteca, nós precisamos dela. Ainda mais que revestida de recursos técnicos modernos, ou seja, devidamente equipada, conforme suas declarações, para uso dos... pagadores de impostos.
Abra a biblioteca, esqueça a presença de ambulantes, afinal a cidade está sitiada por eles. Esqueça, Dr. Roberio, a localização dos postes de iluminação em frente da sua obra. Não ligue para a decoração, queremos pesquisar, ler os livros antes que os tablets nos roubem essa condição.

Apenas um detalhe: em 1945, a mesma Biblioteca Pública sofreu violento incêndio, que a queimou até o limite, pois os bombeiros de então pouco podiam fazer. A recuperação empreendida pelo saudoso imortal Genesino Braga, não apenas dos livros e outros impressos, mas a recuperação do prédio durou bem menos que os 5 anos que a SEC já consumiu apenas com atual “restauração”, embelezamento. E, naquele período de vacas magérrimas, nem se cogitava de recursos federais ou internacionais, como ora acontece.
Revista Plus, 9 out. 2011
Para os amazonenses, vidrados nos acervos e esperançosos da melhor utilização da Biblioteca Pública, o Dia Nacional da Cultura não tem qualquer motivação, este ano. Resta-nos, quem sabe, voltar ao bispo, que pode nos consolar com as mãos sobre a Bíblia. Assim seja.