CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

30 de novembro de 2011

Bombeiros do Amazonas: 135 anos

MENSAGEM do Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM), divulgada em 25 de novembro.


À esq. Coronel Vital, secretário de
Segurança, é saudado pelo coronel
Dias, comandante do
CBMAM 

 Contra as chamas em lutas ingentes,/ sob o nobre alvi-rubro pendão,/ dos soldados do fogo valentes,/ é na paz a sagrada missão...

Eis a estrofe inicial do Hino do Soldado do Fogo, cujas palavras evoco hoje para trazer à lembrança a data que este dia precede, 26 de novembro, em que comemoramos o aniversário do CBMAM, data de extrema importância não só para o Corpo de Bombeiros, como também para toda a sociedade amazonense.

Tendo sido criado em 11 de julho de 1876, por ordem do então presidente da Província, Nuno Alves Pereira de Mello Cardoso (oficial da Marinha, fundador da Capitania dos Portos), inicialmente sem caráter militar, dirigido pelo então diretor de Obras Públicas, coronel Leovigildo Coelho, o Corpo de Bombeiros tem assim o privilégio de ser o segundo organismo estabelecido no País.

O primeiro, o Corpo de Bombeiros Provisório da Corte, foi criado em 2 de julho de 1856, no Rio de Janeiro, pelo decreto nº 1.775, do imperador Dom Pedro II, patrono dos Corpos de Bombeiros do Brasil.

No Amazonas, a natureza militar do serviço só foi concedida no governo de Eduardo Ribeiro (1892-1896), quando da subordinação ao Batalhão Militar de Segurança, a Polícia Militar do Amazonas (PMAM) de nossos dias. No governo de Antônio Bittencourt (1908-1912), o serviço de bombeiros passou ao encargo do município de Manaus, retornando ao Estado em janeiro de 1911.

Durante o governo do presidente Getúlio Vargas, este serviço passou entre o governo estadual e o municipal. Na posse do governador Álvaro Maia (1951-1955), o Serviço de Combate ao Fogo retornou à Prefeitura de Manaus e, em janeiro de 1973, retornou definitivamente a esfera do Estado, sob a administração da PMAM.

Depois de um quarto de século sob a direção da PMAM (1973-1998), o Corpo de Bombeiros, em 26 de novembro de 1998, através da Emenda Constitucional nº 31, disciplinada pela Lei nº 2.523, de 30 de dezembro do mesmo ano, conquistou sua autonomia. Tanto operacional quanto administrativa, desvinculando-se da briosa Polícia Militar do Amazonas e tomando a denominação de Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas, motivo este de nossa comemoração.

A velha e as novas armas
dos Bombeiros

Os desafios da jornada que se iniciou há 135 anos foram enormes, porém, maiores são as conquistas que as seguiram, pois o Corpo de Bombeiros sempre percorreu seu caminho tendo como princípio basilar a melhoria dos serviços prestados à sociedade. Isto tem sido nosso guia, nossa bússola! Muito já se fez, muito ainda se fará. Como verdadeiros guerreiros do fogo, que na hora decisiva correm riscos para salvar uma vida, lutaremos também, com a mesma determinação, para continuar engrandecendo esta Corporação.

Durante esse período, muitos foram os integrantes da corporação, cuja dedicação foi determinante para sua perenidade. Homens abnegados, que empenharam suas vidas com coragem e ousadia, a despeito de dificuldade ou perigo, para bem servir à sociedade nos diversos momentos de angústia e desespero, quando labaredas inflamadas ameaçavam vidas alheias e bens. A esses heróis do passado, deixamos aqui registrado nosso sincero reconhecimento.

Enaltecemos também os relevantes serviços prestados pelos atuais integrantes – bombeiros militares e funcionários civis. Motivos pelos quais os parabenizamos e os concitamos a permanecer com a mesma perseverança, a fim de que possamos entregar aos futuros soldados do fogo uma corporação forte e coesa. Na certeza de que, a cada geração, estágios ainda mais elevados possam ser alcançados.

Neste momento de comemoração, não poderíamos deixar de agradecer ao Governo do Estado pelo reconhecimento da importância desta Corporação, para o bem-estar da sociedade amazonense. Reconhecimento refletido em investimentos destinados à aquisição de equipamentos necessários à capacitação da Corporação para a prestação de melhores serviços.

Agradecemos também às Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica), que tantas vezes nos apóiam em nossas operações de salvamento, busca e resgate, em áreas as mais diversas e inóspitas de nosso Amazonas; e a todos os órgãos estaduais, parceiros no melhor desempenho de nossa função constitucional, em especial a Polícia Militar do Estado, em cujo seio forjou-se a célula que deu origem ao atual Corpo de Bombeiros.

Aos ilustres agraciados com a Medalha Imperador Dom Pedro II, a maior comenda concedida pelo Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas, nosso sincero agradecimento e reconhecimento pelas relevantes contribuições dispensadas a esta Corporação e a sociedade amazonense.

Enfim, nesta data, em que temos muito a comemorar e do que nos orgulhar, reforçamos o compromisso, como afirma o Hino do Soldado do Fogo: Nenhum Passo Daremos Atrás... A qualquer hora, na calada da noite ou no barulho do dia, tenham a certeza de que, quando a sirene ecoar, estaremos sempre prontos a atender mais uma vez o chamado de socorro.

FOGO!!!

Coronel Antônio Dias dos Santos – comandante geral do CBMAM


No desfile, a Guarda bandeiras