CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

9 de novembro de 2011

POLÍCIA MILITAR DO AMAZONAS: CANUDOS (XXVI)


Bandeira conduzida pela PMAM,
em Canudos
A Polícia Militar do Amazonas vai cumprir uma tradição secular: lembrar o retorno de sua tropa que marchou contra o reduto de Antonio Conselheiro, em 1897. Como se sabe, trata-se da participação na campanha contra Canudos (BA). Parodiando o título do livro do Nobel de Literatura – Vargas Llosa, a tropa amazonense saiu do fim do mundo para A Guerra do fim do mundo.
A data do retorno deve ser comemorada em 8 de novembro, todavia, na sexta-feira 11, à noite, diante do Palacete Provincial (ontem quartel da PMAM) na Praça da Polícia, a corporação policial militar voltará seu pensamento aos combatentes de Canudos.


Recorte de A Notícia, 25 set. 1997
O tema me absorveu por longos anos, tempo em que busquei com afinco explicar ou esclarecer os caminhos da milícia do Amazonas. Em 1997, no centenário da guerra, produzi um livro – Candido Mariano & Canudos, que expõe pequena biografia do comandante da expedição e a participação do 1º Batalhão do então Regimento Militar do Estado na refrega canudense.
À cata de pormenores sobre este comandante, encontrei sua sepultura e seus descendentes no Rio de Janeiro. Há sempre uma renovada emoção pessoal quando descreveu a sorte em alcançar Lucy Mariano, a filha de Candido Mariano. A partir dela, foi-me permitido com certa presteza a biografia deste combatente.