CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

10 de novembro de 2011

1º Batalhão em Petrópolis: 40 anos (final)

Para encerrar a série, desejo lembrar a existência, na Polícia Militar do Amazonas, de dois batalhões com a mesma denominação: 1º Batalhão. Ambos desapareceram no tempo, ambos foram desintegrados.

Candido J. Maraino, pincel
de Jurandir Macedo, 1997
O primeiro a existir foi o 1º Batalhão de Infantaria, comandando pelo tenente-coronel Candido José Mariano, que seguiu contra Canudos, em 1897. Sua criação data do ano anterior, quando o Amazonas dispunha de um Regimento Militar para a segurança do estado.
Esse Regimento compunha-se de dois batalhões, fração de artilharia e cavalaria, além de companhia de bombeiros. Era tão evoluída a força estadual, que possuía duas bandas de música. Afinal, o Amazonas sacava dinheiro contra a produção da borracha, a riqueza que avalizou a expedição contra Antonio Conselheiro.

Está documentada a decisão do governador Fileto Pires que entregou a Candido Mariano 40 contos de réis, para gastos em geral com o pessoal. Tanta benevolência servia para colaborar com os cofres federais, que mantinha a campanha de Canudos há dois anos.
O Regimento prosperou enquanto prosperava o ciclo da borracha, tão logo este demonstrou retração, a PM operou na mesma direção. Em 1908, assume o governo Antonio Bittencourt, reclamando da situação econômica do Estado. Entre suas iniciativas, veio a mudança, drástica mesmo, nas fileiras da corporação policial. Em 20 de janeiro, organiza, em lugar do Regimento bem nutrido, o Batalhão Militar do Estado.

Coronel Pedro J. Souza,
comandante da PM em 1910
Ainda no mesmo governo, retornou a reorganização do Regimento, até com elevação de policiais. No entanto, em janeiro de 1913, o governador Jonathas Pedroza extingue aquele e, com a metade do efetivo, cria o Batalhão de Segurança. A partir desse ano, o efetivo da corporação seguia os rumos da economia do Estado, sempre definhando.

Obviamente que, em decorrência da extinção do regimento, os batalhões (1º e 2º) foram extintos, desapareceram. Restam apenas os assentamentos de seu pessoal, devidamente guardados no Palacete Provincial.

x.x.x
Somente em 1965, no início do Governo Militar, o governador Arthur Reis denominou a Polícia Militar do Estado de Batalhão Amazonas. Nos considerandos da lei que o criou, lembrou aquele intelectual, historiador competente, das atribulações sofridas pelo primitivo 1º Batalhão em Canudos.
Nos três capítulos desta série sobre a Polícia Militar no bairro de Petrópolis contei da evolução desta unidade, de seus comandantes. Com a presença do comando geral da corporação neste aquartelamento, o 1º BPM foi descaracterizado. Finalmente, em 2007, o coronel Dan Câmara, comandante-geral, decidiu pela extinção do batalhão, a fim de implantar nova ordem de comando, agora empregando as companhias comunitárias.
Posse do coronel Dan Câmara (à dir.), no comando-geral da
PMAM, presente o governador Eduardo Braga (centro), visivelmente
cansado. Os uniformes distintos são da mesma corporação.