CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

23 de setembro de 2012

As Catraias e a Ponte de Educandos



As catraias, no primeiro plano, com a cobertura de tecido.
Ao fundo, o bairro de Educandos
 
Morador do bairro de Educandos, cujo subúrbio, por décadas, manteve-se cercado de águas, utilizando catraias para se ligar com o centro da cidade, por essa razão, utilizei bastante esse meio de transporte. Mas, que raios são as catraias? Falo de um pequeno barco, geralmente com duas proas, bem resistente e que pode ser conduzido por uma só pessoa. Usado para transporte e outros serviços em portos, baías, doutrina o dicionário Aulete. Aproveito para acrescentar um detalhe: usado também em igarapés, como o de Educandos e de São Raimundo, em Manaus.  

Em Manaus, quem conheceu esse meio de transporte e melhor traduziu esse sentimento com as catraias foi o saudoso sãoraimundense Áureo Nonato (1921-2004). Vivendo no Rio de Janeiro, gravou parte de suas reminiscências no livro Porto de Catraias: um memorial da adolescência (1987).  

Como se pode observar na ilustração, para dar ligeira proteção do solzão amazônico, havia uma cobertura feita de tecido, sustentada por mastros de madeira. Bancos laterais acolhiam os passageiros, que não dispunham de qualquer outra proteção, como os hoje conhecidos salva-vidas. Enfim, a curta viagem levava o passageiro de um lado ao outro do igarapé (pequeno curso de água que, na Amazônia, aumenta e diminui conforme a enchente). Portanto, durante o período de vazante, esse percurso era irrisório. 

No entanto, o bairro de Educandos que já se ligava ao da Cachoeirinha pelas pontes Efigênio Sales e Juscelino Kubistchek, exigia mais. Queria se ligar diretamente ao centro da cidade por mais uma ponte. Veio então a ponte denominada de Padre Antônio Plácido, falecido vigário daquela do bairro, da paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.  
 
Ponte Padre Antônio Plácido, vista do centro (à esq.), cujo trecho foi
modificado pela Manaus Moderna


A ponte foi inaugurada em 1975 e, logo, as catraias e os valorosos catraieiros fizeram paulatinamente suas despedidas. Registro aqui minha homenagem.