CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

6 de setembro de 2012

A Imprensa no Amazonas (6/7)


 
Capa do livro
Em prosseguimento com a publicação do livro A Imprensa no Amazonas, elaborado por Alcides Bahia; J. B. Faria e Souza e Antônio Monteiro, e editado pelo governo do Estado, em 1908, para celebrar o primeiro centenário da imprensa no Brasil. 

O fundador da imprensa no Amazonas 

O “Amazonas

A Estrella do Amazonas que foi sucedânea do Cinco de Setembro, primeiro periódico que se publicou no Amazonas, terminou a sua publicidade a 30 de junho de1866, com o número 138. Foi então a tipografia, que pertencia ao espólio de seu proprietário, Francisco José da Silva Ramos, arrematada pelo Sr. Antônio da Cunha Mendes.
Este, de posse da tipografia citada, fez circular o 1º número de O Amazonas a 9 de julho de 1866, sendo o seguinte  o artigo programa:

Começando hoje a nossa vida jornalística, hemos de dever dizer (sic) ao que nos propomos, qual é o nosso fim; temos de fazer o nosso programa.

Vamos, pois, formulá-lo, não como programa ministerial, cheio de teorias e promessas, promessas e teorias que o povo aplaude hoje, espera ver realizadas amanhã, e convence-se ao fim que tudo não passa de belas palavras sem realidade de expressão. Não se diga isso de nós, eis o que oferecemos,  julguem-nos os imparciais. (...)

Eis as justas, os torneios de que carecemos. As belas inteligências que temos entre nós, e que por mais de uma vez já tem mostrado o do quanto são capazes, por certo não nós abandonará no trabalho a que nos vamos dedicar, e nós esperamos em breve ver raiar uma nova era para o progresso do Amazonas, e para a sua imprensa, que tomará a posição importante que em todo o mundo civilizado ela ocupa, deixando de ser o pelourinho, onde a caprichos particulares e mesquinhos, honestos e belos caracteres têm sofrido o látego da infâmia, zurzido por mãos impuras, acobertados com a capa do anônimo covarde.

Eis o nosso programa. (segue)
 

Catálogo geral de jornais circulados no Amazonas (1851-1889) 

1882

§  JORNAL OFFICIAL
O 1º número é de 3 de janeiro de 1882. Deixou de ser publicado em 14 de março do mesmo ano.

§  PALESTRA
O 1º número é de 16 de abril de 1882. Saíram poucos números.

§  VINTE E UM DE ABRIL
Edição única. Homenagem a Tiradentes em 21 de abril de 1882.

§  CHICOTE
O 1º número é de julho de 1882. Saíram poucos números.

§  ESTUDANTE (manuscrito)
O 1º número é de 15 de agosto de 1882. Terminou em 3 de setembro do mesmo ano, com o nº 4.

§  QUINZE DE AGOSTO
Número único em comemoração desse dia em 1882, adesão da província do Pará à Independência.   

§  APOLLO (manuscrito)
O 1º número é de 17 de agosto de 1882. Terminou em 4 de setembro do mesmo ano, com o nº 4.

§  A SCIENCIA (manuscrito)
O 1º e único número é de 27 de agosto de 1882.

§  ECHO DOS ANDES
O 1º número é de 30 de setembro de 1882. Terminou em 6 de fevereiro de 1883.

1883

§  QUINZE DE AGOSTO
Número único em comemoração desse dia em 1883, adesão da província do Pará à Independência.    

1884

§  O ARISTARCHO
O 1º número é de 25 de fevereiro de 1884. Suspendeu a publicação em 10 de abril do mesmo ano.

§  AVE LIBERTAS!
Edição única em 25 de março de 1884, “em homenagem à província do Ceará, a terra da luz”.

§  ABOLICIONISTA DO AMAZONAS
O 1º número é de 4 de maio de 1884. Terminou em julho do mesmo ano.

§  SAUDADES E PERPETUAS
Edição única em 19 de junho de 1884, dedicada à memória do poeta maranhense Adelino Fontoura.

§  AMAZONIA
O 1º número é de 27 de julho de 1884. Suspendeu a publicação em meados de agosto do mesmo ano.
Reapareceu em 19 de outubro do mesmo ano. Desapareceu definitivamente em 1º de março de 1885. Foi substituído pelo Correio da Manhã.

§  CARAPANÃ
O 1º número é de novembro de 1884. Saíram poucos números. 

1885

§  CORREIO DA MANHÃ
O 1º número é de 2 de março de 1885. Terminou em junho do mesmo ano.

§  DIABO
O 1º número é de 20 de agosto de 1885. Saíram poucos números.

§  DIABINHO
O 1º número é de 30 de setembro de 1885. Terminou em 8 de novembro do mesmo ano, com o nº 9.

§  GAZETINHA
O 1º número é de 20 de setembro de 1885. Terminou em 22 de novembro do mesmo ano, com o nº 14.

§  GAZETA DE MANÁOS
O 1º número é de 7 de dezembro de 1885. Terminou em 30 de março de 1887. 

1886

§  O PAIZ
O 1º número é de 25 de março de 1886. Suspendeu a publicação em 6 de outubro do mesmo ano.

§  O CONDOR
O 1º número é de março de 1886. Saíram poucos números.

§  A PROVINCIA DO AMAZONAS
Edição única de 5 de setembro de 1886.

§  O ARTISTA
O 1º número é de 19 de setembro de 1886. Suspendeu em 5 de abril de 1887, com o nº 65.
Reapareceu em 6 de maio de 1888, para desaparecer definitivamente em junho do mesmo ano.

§  RIO BRANCO
O 1º número é de 21 de novembro de 1886. Suspendeu a publicação em 1º de janeiro de 1888, com o nº 149.
Reapareceu em 16 de setembro do mesmo ano, para desaparecer no mês seguinte.

§  PENSAMENTO (manuscrito)
O 1º e único número apareceu em 15 de dezembro de 1886. (segue)