CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

21 de setembro de 2010

Oitentanos de Alencar e Silva


O poeta, na Academia
Amazonense de Letras,
em 2004

O poeta Joaquim Alencar e Silva nasceu em Fonte Boa (AM), e forma com Jorge Tufic e o finado Farias de Carvalho, todos de 1930, uma tríade respeitável e premiada da poesia nacional. Hoje, residindo no Rio de Janeiro, Alencar e Silva não terá o encontro pessoal de seus amigos daqui, mas segue lembrado e homenageado.

Iniciou os estudos nessa cidade do rio Solimões e os secundários encerrou no Colégio Estadual do Amazonas, ao lado da Praça da Polícia. Na mesma praça que ainda conserva o "mulateiro-sede" do Clube da Madrugada, agremiação de muito imortância para o poeta. Dissertando sobre A Poesia amazonense do século XX, Assis Brasil revela que Alencar escrevia desde a adolescência e, entre poemas e primeiros livros publicados, manteve "ativa colaboração em jornais de Manaus", citando A Tarde, de Aristophano Antony, e A Crítica, de Umberto Calderaro.
A lição sobre o jornalismo literário, Alencar e Silva aprendeu em O Jornal, "onde o Clube da Madrugada mantinha um importante suplemento".
Na década de 1970 muda-se para o Rio de Janeiro, onde obtém o bacharelado em Direito pela Faculade Nacional de Direito.

Alencar,
em 2004

Publicou os livros Painéis (1952); Lunamarga (1965); Território noturno (1982); Sob vésper (1986); Poesia reunida (1987); Noturno após o mar (1988); Ouro, Incenso e Mirra (1994), entre outras manifestações literárias.

Alencar e Silva, pelo conjunto de sua obra, ocupa a Cadeira 23, de Cruz e Souza, da Academia Amazonense de Letras. Assumiu-a em sessão de 5 de agosto de 1992, saudado pelo poeta Max Carphentier, sob a presidência do saudoso Oyama Ituassu.

Em 1959, o finado Anísio Mello funda e dirige o jornal Correio do Norte, em São Paulo, publicando em suas páginas a contribuição dos amazonenses. Na segunda edição quinzenal, o CN publica um poema de Alencar e Silva, que reproduzo com homenagem ao respeitado poeta de "boa fonte".

Correio do Norte. SPaulo, maio 1959