CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

11 de setembro de 2010

Bodas de Prata

Celebra hoje seu 25º aniversário de sagração acadêmica, o poeta Max Carphentier.
Nascido em Manaus em 1945, Max descende do poeta Hemetério Cabrinha. A poesia dominou-o desde jovem, desde a escola secundária. Tanto que se enconcontram publicadas em jornais locais algumas de suas composições, como as que reproduzo neste espaço.

Max Carphentier (à dir.) ouve o poeta Alencar e Silva

O Jornal. Manaus, 11 dezembro 1960
Graduou-se em Direito pela Faculdade da Praça dos Remédios ou, como regristram os tradicionalistas, a "Jaqueira". Hoje, desfruta da aposentadoria de funcionário do Banco do Brasil.
Almir Diniz, autor de Acadêmicos Imortais do Amazonas (2002), destaca que Max é sócio efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas. E mais, que exerceu diversos cargos no Executivo amazonense, destacando o de subsecretário de Estado da Cultura.
Sua posse na Academia Amazonense de Letras teve a presidência do acadêmico João Mendonça de Souza e a saudação do mestre Agenor Ferreira Lima, ambos falecidos. Ocupa a Cadeira nº 31, de Raimundo Monteiro, sucedendo ao doutor Rodolpho Valle. 

Parabéns ao imortal Max Carphentier!


O Jornal. Manaus, 25 agosto 1963