CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

3 de maio de 2012

Parque Jefferson Péres: a vingança 2


Jefferson Péres, patrono
do Parque
Não foi certamente em função do meu apelo-vingança, que postei dia primeiro, no qual mostrava um colchão de casal bubuiando nas águas do Bittencourt. Não. Certamente foram os usuários dos parques, mais do Jefferson que do Jacob, que estenderam nesta madrugada apreciável faixa reclamando de segurança e de limpeza.

Ainda chegue a ler os ditos passados na reclamatória, isso aconteceu antes da primeira chuva. Quando me preparei para registrar a tal reclamação, cadê a faixa? Havia sumido.

Conversa vai conversa vem, um viandante contou-me que um segurança do parque viu a faixa, leu-a, e pela radiofonia consultou o chefe. Logo, socorrido por mais dois, sacaram o painel do local em que fora exposto. Portanto, pode não existir pessoal da limpeza, tanto que o colchão segue flutuando, mas há segurança.

Faixa estendida no Parque Paulo Jacob
O Parque do Jacob, de fato, não tem pessoal de limpeza nem de segurança. Tanto que a faixa aberta (veja ilustração) na mureta do reservatório fecal do igarapé de Manaus, segue estendida.

Por isso, recordando saudosa e enfadonha ladainha: “seu” Amazonino, olhai por nós! olhai por nós!