CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

15 de maio de 2012

Biblioteca Pública do Amazonas

Na revista Veja corrente, acabava de encerrar a leitura do artigo A arte de culpar os outros, quando abri o jornal A Crítica, de hoje. A informação de que a Biblioteca Pública seria aberta em até 60 dias me chamou a atenção, despertando meu entusiasmo.

Recorte de A Crítica, de hoje
Lendo-se o texto, no qual é reproduzida entrevista com o secretário de Cultura, Roberio Braga, fica-se sabendo de que todos os esforços foram realizados para a inauguração. Mas que, após 60 meses de trabalho, de tentativas de modernização, de introdução de recursos tecnológicos, ainda não foi possível abri-la ao público. Assegura o titular da Cultura que a “culpa” cabe ao secretário de Infraestrutura.

Aqui não interessa saber quem é o culpado. Aliás, o artigo citado relembra que a arte de encontrar um bode expiatório nasceu com o Genesis. Quem não recorda a expulsão do primeiro casal do Paraíso? Quando o Senhor interrogou Adão sobre o maleficio praticado, este culpou à Eva que, igualmente se desculpou, tascando o crime no couro da serpente. Deu no que deu...

Após tantos acertos creditados ao secretário de Cultura, escusados relacionar neste espaço, não lhe traria nenhum desapreço assumir esse deslize. Ao contrário. Enfim, há tempo venho contabilizando a temporada que os governos locais arrastam para recuperar a Biblioteca e o Mercado Públicos. Com a notícia apregoada hoje, parece que o Estadual vai vencer. Oxalá!