CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

2 de maio de 2011

Amazonenses na Faculdade de Direito do Recife (final)

Fachada da Faculdade de
Direito do Recife
Concluindo a série, os demais amazonenses (dezenove no total) formados na Faculdade de Direito do Recife, aqui relacionados pela data da formatura até o primeiro centenário daquela Escola, em 1927. As lacunas são bastante perceptíveis; por isso, as pesquisas prosseguem.


13. Pedro Luiz Sympson,
nascido nesta cidade, em 8 de abril de 1874, filho do tupinológo (reconhecido estudioso da cultura indígena, autor da Gramática da Língua Brasílica, publicada em 1877) de mesmo nome e de Tereza Portilho Bentes.
Bacharelou-se em 19 de dezembro de 1908, cuja turma de 147 formandos possuía o “recorde” de três amazonenses: Ismael, Sympson e Rocha. As distintas datas de formatura se deviam a fatores, como o impedimento da presença na festa principal, a prestação de exames suplementares, o distanciamento geográfico, agravado pelo meio de navegação e outros.
Durante a existência da Universidade Livre de Manaus, Sympson lecionou Direito Comercial na Faculdade de Direito, nomeado em 30 de julho de 1910. Nos anos subsequentes, foi ainda lente de Direito Público e Constitucional.

14. Raymundo Rocha dos Santos
nascido em Manaus (AM), em 3 de maio de 1886, filho do major (da Guarda Nacional) Joaquim Rocha dos Santos (1851-1905), que exerceu na cidade destacadas funções públicas. Daí a homenagem prestada ao seu nome em artéria nas adjacências do mercado Adolpho Lisboa.
Muito se conhece do major Rocha dos Santos, mas do filho, apenas recolhi a informação que se graduou em Direito, a 10 de dezembro de 1908.
Página do Jornal do Commercio. Manaus, que funcionava
na avenida Eduardo Ribeiro (abaixo)


Duas considerações sobre: em 1902, Rocha dos Santos fundou o Jornal do Commercio, periódico que ainda circula. No entanto, três anos depois faleceu o fundador, ocasião em que seu filho estudava no Recife. O jornal sofreu grave transtorno, o qual depois de acertos foi vendido ao Dr. Vicente Reis (pai de Arthur Reis, governador do Amazonas, em 1964-67).

15. Olivio da Rocha Cavalcante
nenhuma informação compilei sobre este vitorioso. Recorri a Clovis Bevilaqua que inventariou a turma de 1910, composta de 97 bacharéis, dos quais, 31 eram naturais de Pernambuco, cerca de 30% dos formandos. A seguir, 18 da Paraíba; 15 do Rio Grande do Norte; 13 de Alagoas; 8 do Piauí, e outros menos representados. Nenhum da Bahia, que é bastante surpreendente, mas se explica pela existência da Faculdade de Direito da Bahia há uma década.

16. João de Assis Costa
da turma de 1913. Outros detalhes podem ser retirados do Registro da da Carta (diploma):


Aos quinze de janeiro de mil novecentos e dezessete foi expedida e registrada a Carta do Bacharel João d’Assis Costa, natural do Amazonas, filho de Francisco das Chagas Costa, nascido em 12 de Janeiro de 1886, o qual recebeu o grau de bacharel em ciências jurídicas e sociais em 2 de dezembro de mil novecentos e quinze.
O referido Diploma achava-se revestido das formalidades legais e trazia as assinaturas dos Drs. Sophronio E. da Paz Portella e Henrique Martins, respectivamente, diretor e secretário da Faculdade de Direito do Recife, e foi remetida ao presidente do Superior Tribunal de Justiça do Amazonas.


17. Origenes Freire de Vasconcelos
natural do Amazonas, nascido a 8 de janeiro de 1886, sendo filho de Pedro Arthur de Vasconcellos. Diplomado em 2 de dezembro de 1913.

18. Antonio Genesio Caldas
em 4 de setembro de 1925 recebeu o grau de bacharel, por seu procurador Ernani Lins da Cunha, em presença do Dr. Netto Campelo, diretor da FDR. E nada mais descobri.

 19. Antônio Chaves Casado Lima
bacharelou-se em 27 de agosto de 1927, na turma do Centenário da Faculdade de Direito do Recife. Nascido a 21 de outubro de 1902, era filho de Tobias Affonso Casado Lima.