CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

28 de junho de 2010

Memorial Amazonense XXVI

JUNHO, 28



1911 – Nasceu em Vizeu (POR), o comendador José Cruz. Casado com Alice Carvalho Cruz, gerou quatro filhos. Em 1943, fundou a empresa J. Cruz & Cia., fabricante do guaraná Magistral e outros produtos. De atuação destacda na comunidade lusa, recebeu diversas condecorações: Grão Mestre das Ordens Portuguesas; Cidadão do Amazonas (1979); comendador da Ordem do Mérito do Estado do Amazonas (1982); sócio benemérito da Associação Comercial do Amazonas (1985); sócio benemérito da Real e Benemérita Sociedade Portuguesa Beneficente do Amazonas, que presidiu por mais de 30 anos.


Na condição de desportista, foi agraciado com a medalha de sócio benemérito do Atlético Rio Negro Clube, do Nacional Futebol Clube e do Bosque Clube. Na maçonaria, foi Venerável da Loja Aurora Lusitana. Exerceu ainda a presidência do Rotary Clube de Manaus e a vice-presidência da ACA.


Morreu em 28 abr. 1992, no Hospital da Beneficente Portuguesa. E, finalmente, como homenagem póstuma, o busto foi inaugurado no jardim daquele hospital um ano após seu falecimento.


1965 – Aprovada pela Assembléia Legislativa do Estado, a Lei nº 8 foi sancionada pelo Governador Arthur Reis, considerando a Igreja do Pobre Diabo, localizada no bairro da Cachoeirinha, como monumento histórico. Estima-se que a igrejinha data de 1897, e que foi mandada construir pela viúva do português Antônio José da Costa.
Para mais informações, consultar a Memória nº 1, publicada pela Secretaria de Estado da Cultura.


1966 – Morreu, em Manaus, o cônego Antônio Plácido de Souza, vigário de Educandos. O desenlace ocorreu no Hospital Beneficente Portuguesa. A vida deste sacerdote está vinculada ao bairro de Educandos, desde quando este era conhecido por Constantinópolis, assim batizado em homenagem ao Governador Constantino Nery (1904-07). Padre Placido administrou esta paróquia desde sua ordenação, em 1943, até seu falecimento. A igreja que se conhece foi idealizada e construída pelo mesmo, conhecido artesão de madeira.

Ao fundo, a igreja de Educandos, em construção.
Na frente, onibus da Auto Viação Santa Cruz, c1943

Também deu início a paróquia da Colônia Oliveira Machado.
O governo do Estado, em retribuição ao operoso vigário, nomeou com seu nome a ponte que liga o bairro ao centro de Manaus.
Ponte Conêgo Antonio Placido,
 que liga o bairro de Educandos ao centro de Manaus