CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

21 de dezembro de 2012

OFICIAIS DA PMAM – 50 ANOS

Recorte de O Jornal, 20 dezembro 1962
Enquanto o governo se debatia com o desastre do PP-PDE, a Polícia Militar do Amazonas recebia, em 19 de dezembro, 1962, os três primeiros oficiais diplomados na Escola de Formação de Oficiais, da PM do então estado da Guanabara (ilustração).

A foto, extraída de O Jornal, mostra os personagens desse evento.  À esquerda, o saudoso tenente-coronel Neper Alencar, então chefe da Casa Militar do governador Gilberto Mestrinho (1959-63). Neper já havia exercido o comando da corporação amazonense, mas continuava emprestando sua aptidão no trato pessoal junto ao Palácio Rio Negro. Em 1969, foi nomeado coronel, com a distinção de ter sido o primeiro a atingir esta patente na ativa. Em nossos dias, seu nome distingue a Academia de Polícia Militar da PMAM.
 
À direita, a paisana, o capitão médico Luigi Farini, do Exército, na ocasião exercendo o posto de Chefe de Polícia. Este médico teve uma trajetória mirabolante em Manaus. Adotado pelo governador Mestrinho, foi convocado para a Polícia Militar, no posto de tenente-coronel. Com essa dádiva, pode ser nomeado chefe do gabinete militar do mesmo governador.
Mais adiante, como vemos, assumiu o cargo de Chefe de Polícia. Sumiu junto com Mestrinho, quando este foi cassado pelo Governo Militar.


No centro, os três aspirantes a oficial: Pedro Câmara, Pedro Rodrigues Lustosa e Hélcio Rodrigues Motta (a partir da esquerda e pela ordem de classificação). Atualmente, o trio de coronéis desfruta a reserva, a aposentadoria (em linguajar popular). Lembrando apenas que os coronéis Hélcio e Lustosa foram comandantes da corporação, enquanto Câmara foi, por décadas, o chefe do Estado-Maior. A disputa pela promoção, onde elogios nem sempre bem observados, punições e outros deslizes e atropelos políticos contam, permitiu uma evolução na hierarquia. 

Quartel da Polícia Militar, na praça de seu nome,
no final da década de 1960
Por isso, quem sabe, nunca mais houve a repetição dessa foto histórica. Os três aspirantes, fundadores de um marco profissional, de nova caminhada na PMAM, com o progresso na instrução dos quadros, atingiram o topo da escala policial militar, de modo lamentável, com cada qual em seu pedestal. Todavia, o monumento dos cinquentanos  de oficiais de EFO foi plantado.