CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

23 de novembro de 2010

Clube da Madrugada

Ontem, poucos se lembraram do nascimento do Clube da Madrugada. Tentei escrever e ilustrar a postagem mas, devido minha pouca habilidade com a informática ou sabe Deus o quê, não consegui concretizar minha lembrança. Faço agora, com o mesmo fervor de ontem.
Livro de Jorge Tufic
Assegurei que poucos lembraram, porque certamente os fundadores ainda vivos pararam u momento para recordar a madrugada daquele dia.
A narrativa que segue, para festejar os 56 anos do CM, recolhi do livro Clube da Madrugada: 30 anos, escrito pelo poeta Jorge Tufic, que presidiu o Madrugada em diversas ocasiões.
"Era bem o princípio da luta. Certa noite - o relógio da igreja de São Sebastião anunciara uma nova madrugada". Sob o "mulateiro" da Praça da Polícia, contava-se entre os fundadores, com Saul Benchimol, Francisco Ferreira Batista, Carlos Farias de Carvalho, José Pereira Trindade, Humberto Paiva, Teodoro Botinelly, Luis Bacellar, Celso Melo, Fernando Collyer, João Bosco Araújo. Entre outros, talvez, prossegue o poeta JT.
Conjecturavam sobre um nome que exprimisse a ideia de uma associação de homens de letras sem qualquer protocolo. Saul conseguiu aprovar a ideia de Clube. Mas, clube de quê? Da Madrugada. Uns dizem que a resposta veio do próprio Saul, outros, que do poeta Luiz Bacellar.
Aqui, uma ponta de mistério começa a insinuar-se na história do movimento. Diante da presença atuante da madrugada deve ter tido o poder de envolvê-los. Clube da Madrugada, pronto.
"Mulateiro" existente na Praça da Polícia, sede do Clube da Madrugada
Tufic encerra dessa maneira: "Além das palmas, o alvorecer ainda remoto azulando nas copas. Mas não foi lavrada, por supérflua, a competente ata de fundação. Sabe-se apenas que amanhecia o 22 de novembro de 1954, para todos os efeitos a data oficial do nascimento do Clube da Madrugada."