CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

12 de abril de 2010

Anísio Mello

Abril, 12
Anísio Mello (82a) morto ontem, 11, foi sepultado nesta tarde, depois de velado na Academia Amazonense de Letras, a qual integrava. Ocupante da Cadeira 3, de Gonçalves Dias, tomou posse em 29 Ago. 2003.


Antes da saída do féretro, a Academia, na palavra do acadêmico Almir Diniz, despediu-se do saudoso membro. A sessão contou ainda com o violão e a voz de Nato Neto; as orações dos acadêmicos Zemaria Pinto e Tenório Telles, ainda de Jorge Tufic, por intermédio de Roberto Mendonça; as palavras de Roseane, pelos familiares, e o ofício religioso executado por frei Fulgêncio encerrou a homenagem.


No cemitério São João, também houve o pronunciamento de alguns oradores. E, sob vigorosa salva de palmas, o corpo de Anísio Mello desceu ao mausoléu da família, junto a sua mãe – Ester Mello.

Era um homem completo nas artes, conforme salienta os colegas acadêmicos e amigos e admiradores. Os depoimentos ocupam este espaço.

Anísio, até hoje você conseguir me emocionar. Que danada de pessoa maravilhosa você sempre foi. Darlene Fernandes, admiradora.

Na verdade, uma grande perda, um enorme vazio no quarteirão dos boêmios, na sala principal do Liceu, nas madrugadas da praça... Sem falar naquele que se abre dentro de nós, para sempre. Jorge Tufic, da Academia Amazonense de Letras.

Anísio, artista de muitas Musas, da escultura à pintura, da poesia à prosa. Amigo do meu avô Hemetério Cabrinha, escreveu sobre ele um belo artigo, pelo qual sou grato. O Clube da Madrugada teve em Anísio uma inspiração constante, multifacetada. Elevemos nossas preces a Deus, neste momento de angústia para a cultura amazonense. Max Carphentier, da Academia Amazonense de Letras.


Quando o vôo se dá
fica a réstia de luz.
Quando a luz se dá conta
de que houve o vôo
faz-se o clarão
e dele a eternidade.


Para o Anísio Mello, no dia em que se fez clarão. Robério Braga, secretário de Cultura do Amazonas e da Academia Amazonense de Letras.


Ao grande irmão da arte Anísio Mello: grande pintor e compositor e intelectual e amigo e irmão. Lamento, neste momento, a grande perda para a cultura do Estado e para todos nós. Saudades deste, que sempre se lembrará de sua personalidade e caráter verdadeiros. Homero Amazonas, artista plástico.


Sentirei saudades de um grande amigo. Falo de Anísio Mello. Saudades de fazer aquele cafezinho sem açúcar, porque ele tinha que usar adoçante, para poder se cuidar, cuidar da saúde! Anísio gostava de um cigarrinho com cafezinho. Ana Geissler, amiga de casa.