CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

30 de abril de 2010

Ruy Alberto Costa Lins

Ruy Lins morreu hoje pela madrugada, aos 76 anos, completados em 3 de março passado, quando inaugurei este espaço com a lembrança dessa data. A última vez que o encontrei foi à entrada da Academia, quando fomos nos despedir do genial Anísio Mello, morto em 11 último. 
Lembro de três momentos do doutor Ruy Lins: primeiro, quando ele dirigiu o Codeama, instalado na rua Major Gabriel, no governo de João Walter de Andrade.
Depois, ao assumir a superintendência da Zona Franca de Manaus (1979/1983), cuja foto aqui exposta encontra-se na galeria desses dirigentes.
Enfim, como membro efetivo do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, quando dirigimos o Igha no biênio 2000-02. Na ocasião, ele se encarregou de produzir o noticiário do sodalício, elaborando um Boletim que mensalmente se encorpava, chegando a circular em cores. Encerrado nosso período diretivo, o Boletim desapareceu.

Ruy Lins pertencia a Academia Amazonense de Letras, ocupante da Cadeira nº 32, de Bernardo Ramos, empossado em 1985. Com sua morte, abre-se a oitava vaga na Casa de Adriano Jorge.