CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

22 de abril de 2011

Memorial Amazonense (LII)

Monsenhor Alcides Peixoto
1956 – O padre Alcides de Albuquerque Peixoto foi nomeado vigário da paróquia de Itacoatiara, em substituição ao monsenhor Joaquim Pereira. Em 4 de outubro, recebeu o coadjutor, padre Bernardes Martins Lindoso, irmão do político José Bernardino Lindoso, que seria governador do Estado (1979-1982). Bernardes, tendo abandonado o sacerdócio, trabalhou com o irmão nesse governo. Padre Alcides recebeu posteriormente a dignidade eclesiástica de monsenhor, tendo sido vigário da paróquia de Nossa Senhora dos Remédios, em Manaus.


2005 – Morreu em Manaus, Ignes de Vasconcelos Dias. Conhecida professora e diretora do Instituto de Educação do Amazonas, fora graduada pela Faculdade de Direito do Amazonas. Exerceu a função de Secretaria de Educação e Cultura. Era membro do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas.


Marcus Luis Barroso Barros tomou posse na Academia Amazonense de Letras, e segue ocupando a Cadeira 11, cujo patrono é José Veríssimo. Dirigiu a solenidade o presidente Elson Farias e o discurso de recepção coube ao acadêmico Roberio Braga. Marcus Barros nasceu em Manaus, em 29 nov. 1947. Médico na primeira turma da Universidade do Amazonas, em 1972, especializou-se em medicina tropical na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1981, dirigiu o Hospital Universitário Getúlio Vargas. Mais adiante, foi Reitor da Universidade Federal do Amazonas (1989-1993). Em 2002, assumiu o cargo de diretor geral do INPA e, em janeiro de 2003, a presidência do IBAMA.


2010 – Morreu em Manaus, a desembargadora Euza Maria Nice de Vasconcelos. Surpreendente seu falecimento, visto que havia assumido essa função na Alta Corte amazonense no ano anterior, exatos quinze meses. Foi sepultada no cemitério São João Batista.