CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

10 de abril de 2011

Homenagem ao multiartista Anísio Mello

Jornal A Crítica. Manaus, 9 abr. 2011
Na manhã de ontem, no espaço cultural da Livraria Valer, foram abertas as homenagens ao falecido Anísio Mello. A sessão, por mim dirigida, lembrou o primeiro ano de falecimento deste multiartista. Amanhã, às 19 horas, prosseguem no mesmo local com o lançamento de seu livro inédito – Convite à Poesia.

Lembro que na Quarta Literária, dia 6, foi aberta uma exposição de quadros de Anísio Mello, no mesmo espaço cultural. Parte desta mostra foi utilizada pelo jornal A Crítica que ilustra este post.

Inúmeros amigos, alunos e admiradores do talento do filho de Itacoatiara (AM) prestigiaram o evento. Após a apresentação de um vídeo com cenas do mestre do pincel e das letras, a palavra foi usada indistintamente.
Anísio Mello, aos 70 anos, em seu ateliê

O professor José Seráfico lembrou o jornal dirigido pelo AM - Correio do Norte e as publicações sobre o pessoal de Belém, entre os citados, o próprio. E ainda pelos artigos que seu tio Luís Osiris da Silva, colega de Anísio no Banco de Crédito da Amazônia, publicou no mesmo periódico. Encerrou sua fala lembrando que a figura de Anísio lembra a do educador Paulo Freire.

Falou a seguir o acadêmico Élson Farias que, como integrante da segunda geração do Madrugada, lembrou os ensinamentos do homenageado. Também o professor José Roberto Girão, pelo ICBEU, este vizinho do Liceu Ester Mello, contando do apoio que Anísio dispensou àquele instituto.

A saudação contou com dois artistas da voz: o tenor Humberto Vieira e Nato Neto, que encerrou o encontro com grande estilo, cantando Imagine, de Lennon.
Representantes do Clube Literário do Amazonas (Clam) e da Associação Amazonense de Artistas Plásticos (Amap) também prestaram-lhe respeitosas homenagens.

Enfim, o acadêmico Zemaria Pinto, em conjunto com a Tainá, tratou do último livro de Anísio Mello – Kaleidoscopio (coletânea de haikais), editado em 2003. Encerrando o encontro, o acadêmico Almir Diniz, representando o Chá do Armando, no impedimento do titular, recordou o amigo que nos deixou há exato um ano.