CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

29 de abril de 2011

Amazonenses na Faculdade de Direito do Recife (II)

Prosseguindo com a relação dos amazonenses bacharelados na Faculdade de Direito do Recife, até o primeiro centenário daquela Escola em 1927, observando a data de formatura:


6. Genuino Amazonas de Figueiredo,
da turma de 1894, composta de 132 bacharéis. Dele apenas recolhi que foi contemporâneo, entre outros, do pernambucano Emílio Bonifácio Ferreira de Almeida e do cearense Martinho de Luna Freire, desembargadores do TJA, e de Odilon Nestor, depois lente da FDR, autor de várias obras literárias sobre a Academia do Recife.

7. Rodrigo Rodrigues da Costa,
filho de João Fausto Rodrigues da Costa, nascido em Codajás (AM), a 3 de agosto de 1875, Obteve o grau de bacharel em 1899, quando então foi nomeado promotor público em Belém (PA).
Posteriormente, em Manaus, foi diretor da Instrução Pública do Estado, professor de Lógica, no Ginásio Amazonense, e de Economia Política, na Faculdade de Direito da Universidade Livre de Manaus. Bem realizado financeiramente, adquiriu a propriedade da casa situada na esquina das ruas Marçal com Costa Azevedo, a mesma que abrigou por décadas a sede da representação da Sudam, em Manaus.
Em História da Faculdade de Direito do Recife, Clovis Bevilaqua reservou para este amazonense a seguinte nota: “Católico praticante e convicto, escreveu alguns trabalhos, em que afirma a sua crença, como: A mulher e o simbolismo católico e Brado de Justiça. Devemos-lhe, ainda: A instrução pública na Suécia; Uma página de história e Quatro mortos ilustres”. Lamentavelmente, ainda não localizei qualquer dos trabalhos citados.
Em sua cidade natal existe (ou existiu) um Grupo Escolar com seu nome; nele na década de 1930 estudou o saudoso poeta Anísio Mello.
Rodrigo Costa faleceu em 1915, na cidade do Rio de Janeiro.

8. Heliodoro Nery de Lima Balbi,
“condensou, numa síntese, todo esse ambiente revolucionário daquela época pernambucana, no seu memorável discurso como orador da turma dos bacharéis de 1902”. A solenidade oficial teve lugar no salão nobre da Faculdade, em 13 de dezembro.
Entre seus colegas, lembro as figuras de Raphael Benaion e Manoel Anísio Jobim, este de Alagoas e aquele, do Rio de Janeiro, que serviram ao judiciário e ao magistério em Manaus.

Inscrição na Academia Amazonense de Letras

Heliodoro Balbi. O Jornal. Manaus, 25 nov. 1945
Heliodoro Balbi nasceu em Manaus, em 16 de fevereiro de 1876, era filho de Nicolau Balbi e de Domiciana Lima (filha de Lima Bacury, parlamentar regional brilhante por sua oratória). A razão da unânime consciência de seus contemporâneos sobre a capacidade intelectual de Balbi, pode ser compreendida por este juízo: “Sua cultura era extraordinária. Conhecia profundamente direito, sociologia, filosofia e história", assegura o sociólogo André Araújo. Também é deste, a impressão de que Balbi preferiu seguir os ensinamentos do consagrado professor de Filosofia da FDR – Laurindo Leão, que os dos mestres da Escola do Recife, daí a descrição de quem conviveu a belle époque manauense. “Balbi era filósofo verdadeiro. Quem o conheceu o sabe. Ironia, piedade, erudição, oratória, tudo ele possuía”.

Sobre a brilhante passagem de Balbi pela FDR, Bevilaqua anotou com respeito: “Artista da palavra escrita e oral, faleceu antes de desbastar as exuberâncias próprias de um talento vasto, mas ainda não fixado em sua diretriz. Tinha cultura literária e filosófica”
Estranha curiosidade verifiquei nos arquivos da FDR: alguns documentos oficiais, expedidos pela própria Escola, grafam apenas Heliodoro Balbi. Ainda me interrogo, permanecendo sem resposta, qual a veracidade sobre a exclusão de Nery (sobrenome de seus possíveis algozes em Manaus) e Lima (sobrenome materno)?.


De personalidade deveras controvertida, cuja atuação no espaço literário e político do Amazonas reclama – e merece – um biógrafo. Com capacidade tanto de redirecionar as luzes sobre a profusão literária e o empenho político de Balbi, quanto a de elucidar particularmente a disputa quixotesca empreendida contra a oligarquia dos Nery, que governou o Estado na primeira década do século XX. Ainda que sob a suspeição imposta por apaixonados historiadores, o governador Silverio Nery manteve Balby em seu emprego de Conferente da Recebedoria Estadual, segundo anotação extraída de Diário Oficial da época.

Um dos móveis, contudo, encontra-se amplamente divulgado, e quem prelecionou foi o amazonense Almino Affonso, então deputado federal representante do povo paulista, em discurso proferido no plenário da Câmara Federal, em 1998. “Desgraçado Amazonas que, vitimado pelas tropelias dos oligarcas, não teve a honra de ver-se representado, no Parlamento Nacional, por Heliodoro Balbi! Não é que as forças lhe faltassem ao bravo lutador. Mas, o cerco era imenso! Ao regressar a Manaus – três vezes eleito pelo povo, três vezes esbulhado na Câmara Federal! O Parlamento brasileiro e suas derivações à época sofriam incompreensível dominação do senador gaúcho Pinheiro Machado, patrono dos governantes locais.

A desmedida coação impeliu Balbi para a capital acreana, para sofrer, ainda segundo Almino Affonso, “a derradeira ilusão”, aquela que “o envolveu para sempre, fechando-lhe os olhos a 26 de novembro de 1918, em plena maturidade de um sol a pino”. O confessado admirador encerrou desta maneira sua apreciação sobre um dos genuínos campeadores planiciários: “quando ainda o talento e a irreprimível vocação de homem público tinham tanto a dar ao Amazonas e às instituições democráticas”.
Alguns anos depois, seus restos mortais foram transladados para Manaus, estando inumados no cemitério de São João Batista. Ouso assegurar que o pelejador amazonense prossegue sendo injustiçado: quando em vida, por políticos torpes; ora em seu jazigo, pelo povo. Porquanto, patrono de um logradouro (a praça em frente ao quartel da Polícia Militar) no centro de nossa capital, a população teima em ignorar a denominação oficial, preferindo nominá-la de Praça da Polícia.


9. Vitor Antônio de Souza,
natural do Amazonas, nascido em 15 de junho de 1887, era filho de Antônio Marcelino de Souza. Colou grau no dia 15 de dezembro de 1903. Solamente...  (segue)