CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

20 de setembro de 2014

SUPLEMENTO LITERÁRIO




 
Capa da publicação
Quando diretor do Diário Oficial do Estado na década de 1980, o falecido Joaquim Alencar e Silva (poeta bem conceituado em nossa terra) implantou um caderno com o título de Suplemento Literário Amazonas (SLA). De circulação mensal, perdurou entre novembro de 1986 e, creio, a exoneração deste diretor do periódico oficial.
Conhecia alguns exemplares, mas, dia desses, encontrei no Sebo de Antonio Diniz uma preciosidade: a Coleção dos Primeiros 12 Números do SLA, com uma dedicatória do mencionado dirigente. E prometo fazer bom proveito, em especial publicando aqui o material ali encartado.
Dou início, apresentando o corpo redacional e o editorial do número de estreia, para que se registre mais esse movimento, entre tantos outros produzidos na Cidade pelos intelectuais.

Editor do Suplemento – Alencar e Silva
Programador visual – Arthur Engrácio
Secretária – Maria Lindalva de Mello
Comissão editorial – Jorge Tufic, Anísio Mello, Rita Alencar e Silva e Socorro Santiago.

(No local do editorial)

A instituição de um suplemento literário, no Diário Oficial do Estado, a exemplo do que, de há muito, ocorre em quase todas as Imprensas Oficiais do país, sempre constituiu um anseio da intelectualidade amazonense. Algo assim, de encher os olhos, como o S suplemento literário de Minas Gerais, que acaba de ingressar gloriosamente na maioridade dos seus vinte anos de bons serviços prestados à Nação.
E eis que, finalmente, Suplemento Literário Amazonas vem de acontecer. Cercado de expectativas e esperanças. E, sobretudo, do desejo de bem servir a comunidade e à Nação. Sem qualquer sentimento menor. Nem de modéstia. Comprometido, antes, com o propósito maior de espelhar a realidade literária local, projetá-la, com vigor, como convém no cenário cultural do país – e fazê-la conhecida de nossos irmãos de todos os quadrantes da Pátria.

Nasce, pois, o SLA com o objetivo de estender pontes entre o nosso e os demais Estados da Federação, viabilizando, assim, um efetivo intercâmbio de conhecimento e experiências das diferentes realidades locais.
 
Anísio Mello
Esse esforço de comunicação dirige-se, por igual, ao “público interno”, ao qual o SLA procurará servir, mais de perto, de modo, inclusive, a minimizar a desinformação de nossos estudantes acerca de autores amazonenses, notadamente os nossos poetas, aqui e ali acusados de parnasianos, enquanto, na realidade, pouco ou nada se faz para o conhecimento de seus trabalhos.

Cercado, assim, dos mais altos propósitos é que surge o Suplemento Literário Amazonas. E com ele, esperamos, daqui por diante, um novo tempo começará a correr para os artistas e escritores locais. Na medida, é claro, em que todos respondermos de modo positivo à iniciativa que ensejou a sua concretização.