CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

8 de abril de 2012

IGHA (95 anos) final

Ainda lembrando a data magna, concluo a publicação do artigo sobre o Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas e alguns congêneres, de autoria do padre Nonato Pinheiro (1922-94), que foi associado desta agremiação.


Nossos Institutos Históricos

 Padre Nonato Pinheiro
(do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas)


O espaço de que disponho não me permite referências, ainda sumárias, aos demais Institutos. Devo coroar este trabalhinho com uma alusão ao nosso. Foi fundado a 25 de março de 1917, sendo seu primeiro presidente o coronel Bernardo de Azevedo da Silva Ramos, eminente arqulogo, egiptólogo e numismata. Governava o Amazonas o Dr. Pedro de Alcântara Bacelar.
Sede do IGHA, centro histórico

Em 53 anos vem o IGHA cumprindo sua missão cultural no Amazonas através de sua Revista, de seu Boletim, de suas magnas sessões com palestras e conferências culturais, das atividades de seus membros e de suas Comissões Permanentes e através de seu precioso acervo ou coleções. Ouvi Arthur Reis dizer, mais de uma vez, que foi o IGHA que lhe despertou a vocação para historiador. O jovem secretário do sodalício, que tanto pesquisou a biblioteca, as coleções dos jornais e dos documentos de nosso Instituto, é hoje vice-presidente do IHGB e o presidente do Conselho Federal de Cultura, com seu nome firmado dentro e fora da pátria como profundo conhecedor e mestre egrégio da História.

Dentre os mortos, muito deve o IGHA ao Dr. Vivaldo Lima, seu orador oficial. Dentre os sócios venerandos, pela idade e pelo saber, desejo por em especial relevo o professor Agnello Bittencourt, nosso Presidente de Honra Pertuo, e o desembargador Manuel Anísio Jobim, ambos da mesma idade, com as cãs alvíssimas coroadas de louros. São os dois preexcelsos beneméritos do Instituto.
Dr. Vivaldo Lima
Presidido hoje pelo eminente desembargador João Rebello Corrêa, seus membros vêm trabalhando com silenciosa operosidade ou com operoso sincio (sempre ouvi dizer que o bem não faz barulho!) para sua maior grandeza. Sessenta (sic) patronos estão a aclarar-nos os caminhos, já palmilhados por muitos obreiros da pesquisa e da cultura, que nos legaram um monumento. Vinte Comissões Permanentes estão em atividades incessantes. Nossa correspondência com as instituições culturais do país e do estrangeiro, e com sábios e estudiosos cresce dia a dia.

No dia 25 do fluente iremos festejar os 53 anos de existência do IGHA. O Sr. governador Danilo Duarte de Matos Areosa já nos autorizou a publicação de um novo número da Revista. Tudo faremos para maior grandeza e glória da Casa de Bernardo Ramos, que tanto nos inflama as fibras de homens cultos e de patriotas!
 

Circulado em O Jornal, Manaus, 8 março 1970