CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

19 de abril de 2012

Evocação de Manaus

O título pertence ao saudoso senador Jefferson Péres, no livro em que nosso conterrâneo relembrou a Manaus, tendo como subtítulo, “como eu a vi ou sonhei”. Hoje, autêntico sonho.

Monumento ao barão
de Sant'Ana Nery, 1905
Para ilustrar, reproduzo a já desaparecida Praça Osvaldo Cruz, agora um estacionamento desclassificado, na entrada do Porto. Não sei se você vai reconhecer o logradouro. Fica o desafio.

Nesse local, no governo de Silvério Nery (1900-04) foi erguido o monumento ao barão de Sant’Ana Nery, irmão do governador. Apesar de nascido em Belém do Pará, o barão era um intelectual com formação francesa, morador de Paris (FRA), onde morreu. O monumento possuía bastante realce, mas, a partir da reforma que o prefeito coronel Teixeira impôs no Centro Histórico, a estátua começou a sumir. Dela resta em nossos dias somente a cabeça, que pertence ao acervo do Centro Cultural Palácio Rio Negro.



De cima para baixo, Praça Osvaldo Cruz, década 1950; 1960 e 1970