CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

26 de fevereiro de 2012

Bairro de Santa Luzia

Na sexta-feira passada, aproveitamos o encontro do Chá do Armando para comemorar, com antecedência, o aniversário do Aguinaldo Figueiredo. O conhecido professor de História comemora hoje 54 anos.
Professor Aguinaldo Figueiredo


Na ocasião disse-lhe do que mais e menos admirava nele. Esquecera-me de mais uma virtude: a sua paixão pelo bairro de Santa Luzia. Por isso, quero neste espaço novamente cumprimentá-lo, rogando à Santa que o ilumine na difícil tarefa de transmitir conhecimentos. E dizer-lhe que me preparo para o repiquete do Red, no próximo Chá.

Aproveito ainda para trasladar algumas informações sobre a paróquia de Santa Luzia, suplementando aquelas postadas na quinta-feira 23.
Esta divisão eclesiástica tem um privilégio, foi a primeira paróquia criada após a elevação do Amazonas a arquidiocese, mantendo seu bispo na direção do mesmo território. A Bulla papal tem a data de 2 de julho de 1952. Sessenta anos depois, temos Dom Luiz Soares Vieira administrando apenas a Arquidiocese de Manaus.

A paróquia de Santa Luzia foi criada no dia 24 de setembro de 1953, pelo arcebispo [do Amazonas] Dom Alberto Gaudêncio Ramos, sendo o seu primeiro vigário o padre Paulino Lammeier.
Desmembrada da paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, de Educandos, seus limites se estenderam a partir do igarapé da Cachoeirinha, pelo beco da Serraria Amazonas, até à avenida Leopoldo Peres, daí seguindo pela estrada do Aeroporto de Ponta Pelada [Base Aérea de Manaus], abrangendo todo o perímetro de terrenos pertencentes à Aeronáutica. Do outro lado, ficou limitada pelo igarapé do Crespo e da Cachoeirinha, até o ponto inicial.

O terreno destinado à construção do templo foi produto da doação de um amigo da Igreja ao tempo em que o pároco de Educandos era o cônego Antônio Plácido de Souza, em 1946.
Este, desgostoso com o descaso do povo e as constantes invasões sofridas, devolveu a doação, sendo, em 1953, redoado (sic) pelos herdeiros do primeiro doador, àquela altura quase todo transformado em praça, ficando livre apenas a parte central onde foi construída a Escola Santa Luiza de Marillac, para obras sociais e instrução religiosa.

Mas o templo, em outro local, foi finalmente inaugurado a 13 de dezembro de 1967.

Extraído de Elson Farias. Cem anos de fé: centenário da arquidiocese de Manaus (1993)