CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

22 de fevereiro de 2011

Memorial Amazonense (XLVIII)

Fevereiro, 21
1913 – Inauguração do cine Odeon, situado na Avenida Eduardo Ribeiro com a rua Saldanha Marinho. Foi o primeiro estabelecimento no gênero a possuir ar refrigerado.


Governador Plínio Coelho, 1958
1920 – Nasceu em Humaitá (AM), no rio Madeira, Plínio Ramos Coelho, filho de Francisco Plínio Coelho e Ana Ramos Coelho. Concluiu os estudos secundários em Manaus, no Colégio Dom Bosco e Ginásio Dom Pedro II.
Bacharel pela Faculdade de Direito do Amazonas, turma de 1947, turma em que despontaram vários de seus colegas: Áderson Dutra, Arthur Virgílio Filho, Fueth Paulo Mourão, Oldeney Bagnero e Waldemar Batista de Salles.
Eleito deputado estadual constituinte, consolida sua performance de respeitável tribuno e, por sua atuação fortemente oposicionista , foi alcunhado de Ganso do Capitólio. Em 1950, elegeu-se deputado federal. Em 1954, derrotou o candidato da situação – Severiano Nunes, e, a partir da posse em 31 jan. 1955, deu início a um renovado governo trabalhista, visto ter alcançado um Estado bastante degradado. Encerrado seu governo, elegeu o substituto, Gilberto Mestrinho. Plínio retorna a chefia do Poder Executivo em 1963, no entanto, não encerrou o período governamental, pois foi atingido por ato de exceção do Governo Militar. Pertenceu a Academia Amazonense de Letras, ocupando a Cadeira nº 21, cujo patrono é João Baptista Figueiredo Tenreiro Aranha. Faleceu em 2001.
Arthur Reis (à esq.), da SPVEA, Plínio Coelho, com o cigarro,
aao fundo, o jovem Aureo Nonato. Rio de Janeiro, 1957
1960 – Ordenação sacerdotal do padre Luiz Soares Vieira, na catedral de São Marcos, em Roma. Bispo de Macapá, hoje, conduz a família católica de Manaus, na condição de arcebispo (o quinto), cujo brasão é: ministrare non ministrari (vim para servir, não para ser servido!).