CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

26 de fevereiro de 2011

Família Makk

Após a publicação de ontem, resolvi ampliar as informações sobre o Casal (Américo e Eva) Makk. Fácil saber onde as busquei. Isso mesmo, na internet. Assim, tudo quanto exponho nesse espaço trata-se da ordenação desse encontro. Vem para desmistificar algumas lendas que circulam pela cidade de Manaus.

Américo Makk nasceu na Hungria, em 1927. Estudante de artes, conquistou uma bolsa de estudos e foipara a Itália. Na Academia de Belas Artes de Roma conheceu Eva, sua colega e futura esposa.

Eva nasceu na Etiópia, filha de diplomata e mãe baronesa húngara. Já aos 4 anos usava com desenvoltura os pinceis. Estudou artes em Paris e posteriormente graduou-se “summa cum laude” na Academia de Belas Artes de Roma.
Em 1949, o casal desembarcou no Brasil. Logo foram contratados como professores da Academia Paulista de Belas Artes. Dois anos depois, em São Paulo, nasceu o filho AB (Américo Bartolomeu) Makk que, artista como os pais, integra a “primeira família na arte”.

Estávamos na metade do século XX. Em Sobral (CE), o vigário resolveu restaurar a Igreja de São Francisco de Assis e, para melhor apresentação do templo sagrado, convidou o Casal para essa tarefa. Ali, acredito que por volta de 1956 ou 57, pintou o afresco, o teto e a parede de fundo do altar mor.

Certo mesmo é que o Casal chegou a Manaus (AM) em 1958. Se ele estava empenhado em circundar pela floresta para retratar “o povo indígena tribal”, desconheço. Não se tem registro dessa aventura. Penso que desembarcou em maio e permaneceu aqui até o final desse ano. 
Eva Makk


Para a comemoração do centenário da catedral de Nossa Senhora da Conceição de Manaus, no Brasil, os Makk pintaram sua obra mais famosa: o teto dessa igreja, cujo mural ERA o maior do mundo com um único tema. ERA, porque a restauração de 2003 varreu para o entulho esse recorde. Por isso, não entendo os pretextos que arrastaram os governos do Estado e da Igreja Católica a abonar esse ato vilipendioso.

Ainda na capital amazonense, o Casal pintou o retrato de algumas personagens. Era uma especialidade, pois, alguns anos depois foram escolhidos para retratar Jimmy Carter e Ronald Reagan, presidentes dos Estados Unidos.
No início da década de 1960, estiveram embelezando a igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, em Jaú (SP). Ali, pintaram os murais que seguem atraindo visitantes e servindo de atração naquela cidade.

Sem data determinada, mas há registro de que na igreja de Nossa Senhora do Rosário, em Ponta Grossa (PR), o Casal Makk produziu as pinturas internas, ainda existentes.

Em 1962, a família Makk voou para Nova York, onde se estabeleceu. E ganhou prestígio. Cinco anos depois, optam por viver em Honolulu, no Havaí, onde ainda vivem, segundo registro do site www.makkstudios.com

Ilustrações extraídas deste site.