CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

20 de julho de 2012

INSTITUTO GEOGRÁFICO E HISTÓRICO DO AMAZONAS

 Com o título de Imortais do IGHA, o Informativo que circulou em julho de 2002, produzido pelo confrade Ruy Alberto Costa Lins (RALC), louva ao então membro da Diretoria, Arnaldo Felisberto Imbiriba da Rocha. Este companheiro morreu em 2010. 

Recorte do Informativo julho 2002

Imbiriba da Rocha, nascido a 10 de setembro de 1934 no Estado do Pará, portava o título de químico industrial, pela Escola Superior de Química da Universidade Federal do Pará (turma de 1962), quando veio para Manaus, o que aconteceu logo após a conclusão do seu bacharelado.


Permanentemente ávido pela ampliação dos seus conhecimentos, visando
uma formação em bases sólidas, devido a própria complexidade e aos intrincados meandros da sua vocação profissional, a sua dedicação aos estudos da química orgânica foi deveras impressionante. Vinculou-se, de pronto, com a antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Amazonas, no seu curso de Licenciatura em Química, lecionando química analítica (1963).

Com o apoio institucional da Universidade Federal do Amazonas, instalada em 1965, prosseguiu na sua dura caminhada de especialização e permanente ampliação do conhecimento. Fez a especialização (pesquisa em qmica orgânica) na Wayne State University, Detroit, USA (1966); o  mestrado em ciências, na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro(1971); o
do
utoramento em Química Ornica, na USP (1977), e, finalmente, o pós-doutoramento, na University of California, San Diego, USA (1982).

Nesta trajetória preparou e defendeu as teses: Estudo de Química em Quatro Plantas da Amazônia e Alcalóides Indolo-Terpênicos como marcadores químiossistemáticos. Estavam formados os alicerces para construir o grande e seguro edifício representativo da carreira que havia projetado, o que realizou com rara e brilhante competência. o chega a surpreender, nem causa espanto, os trabalhos científicos que publicou em revistas nacionais e estrangeiras, não apenas pela quantidade, o que é um feito incvel, mas, sobretudo, pela qualidade, o que é um feito notável.

Imbiriba Corrêa, 2002
As suas publicações passam a constituir referência internacional no mundo científico. Trata-se, de fato, de um acervo fantástico para um cientista amanico.
Professor de Química Orgânica e Química Geral aprovado pelo Conselho Federal de Educação, além de professor titular da Universidade Federal do Amazonas, também lecionou em cursos de especialização e mestra do na Universidade Federal do Pará, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Além de participar na orientação científica de estagiários, desde 1964 até recentemente, foi o orientador científico de numerosas teses de mestrado e doutoramento, dos bacharéis em ciências naturais formados por diversas universidades brasileiras. 

As conferências que proferiu e os trabalhos que apresentou, em congressos, simsios, seminários, encontros científicos, mesas redondas, no exterior e no país, também merecem um registro especial.

o bastasse esse impressionante buquê de fecundas atividades, deve ser resgatado o seu desempenho como pesquisador, em consultoria científica, e na coordenação de projetos de pesquisas. Realmente um trabalho de paciência, perseverança e denodo, em façanha que somente os bem-aventurados conseguem alcançar. Imbiriba da Rocha é um deles, por isso merecedor da homenagem do IGHA.

Essa estupenda trajetória nos vales da serenidade, da responsabilidade e da aplicação profissional, apoiada por uma família esplendorosa e bem constituída, é natural que excelentes resultados fossem colhidos.

Paciente e comedido, fidalgo nos gestos e no tratamento com as pessoas, correto em todas as suas ações sociais, mereceu e recebeu, a 12 de dezembro de 2001, o título de Cidadão do Amazonas, conferido pela Assembleia Legislativa do Estado.

É o fundador, e primeiro presidente, da Associação de Profissionais da Química do Amazonas, depois transformada em sindicato, bem assim, conselheiro fundador do Conselho Regional de Química 14ª Região, tendo sido, também, seu presidente. É membro da American Chemical Society, da Sociedade Brasileira de Química, e conselheiro titular do Conselho Federal de Química. Permanece como consultor científico do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da revista "Acta Amazônica" do INPA.

Arnaldo Felisberto Imbiriba da Rocha ingressou no IGHA a 13 de maio de 1985 para ocupar a Poltrona nº 5 patronada pelo sábio Friedrich Wilhelm Karl Heinrich Alexander von Humboldt. Na fala presidencial de saudação, assim Robério Braga se expressou: "Aqui chega o Maçom. O cientista, sobretudo. Aquele que plasmou nos laboratórios a cultura científica que ostenta com simplicidade comprovada nos artigos dados a lume em importantes boletins de caráter técnico e que pretendeu a glória acadêmica no Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, para reanimar o próprio espírito e conhecer outros círculos intelectuais." (RACL)