CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

23 de março de 2011

Deu em... O Jornal

Já descrevi em vários posts a atuação da SAGA (Sociedade Atlética Guarda de Aparecida), entidade criada pelos padres redentoristas. A finalidade era congregar do melhor modo possível a sociedade do bairro. Também se empenhava na educação dos jovens, inclusive na atividade esportiva.


Marcio de Menezes era um oficial do Exército empreendedor. Quando capitão estivera no comando da Polícia Militar, e buscou modificar a situação dos bombeiros. As dificuldades do Estado não permitiram. Quando coronel, comandante do 27º Batalhão de Caçadores, resolveu construir em Manaus um estádio. Espaço existia, o próprio Exército dispunha de ampla área na atual avenida Constantino Nery.
Jornalista João Bosco de Lima entrevista o coronel Marcio de Menzes,
abaixo, a reportagem. O Jornal, Manaus, 5 out. 1957



Onde existia o estande, queria o coronel levantar o Estádio Olímpico. Para saber dos detalhes foi entrevistado pelo jovem repórter João Bosco de Lima, muito depois vice-governador e, morto senador, em 1979. Novamente, o coronel teve que arquivar seu plano.
O Jornal. Manaus, 8 out. 1957
Em 1957, a aviação para Manaus melhorava a cada decolagem. Bem demonstra a oferta de viagens da Panair do Brasil.

O Chefe de Polícia de então dirigia as polícias do Estado, além de atribuiçoes sobre a Penitenciária. Era de prestígio este cargo. O recorte anuncia a substituição do então bacharel José Bernardo Cabral pelo saudoso dr. Antonio Alexandre P. Trindade, efetuada pelo governador Plínio Coelho.
O Jornal. Manaus, 3 out. 1957