CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

4 de março de 2011

Faculdade de Medicina do Amazonas

Desejo apenas acrescentar um resumidíssimo capítulo à história da Faculdade de Medicina, que já se consolidou em nossa Universidade centenária. Capítulo da pré-história da instituição, pois aconteceu um decênio antes que a Ufam tomasse forma legal e cerca de quinze, até a primeira aula na atual faculdade.


É do conhecimento geral que, na metade do século passado, havia em funcionamento em Manaus apenas a Faculdade de Direito. Os jovens interessados ou estimulados ao curso de medicina ou odontologia eram obrigados a buscar outros recantos do País. Durante anos, os graduados na Faculdade de Medicina da Bahia dominaram o mercado, curaram as doenças de nosso povo.

No entanto, o anseio dos amazonenses por outros cursos superiores era latente. Uma das iniciativas coube ao Dr. Miguel Martins que, no início da década de 1950, criou o Instituto Amazonense de Estudos e Pesquisas Médicas. A entidade assumiu o compromisso de instalar uma faculdade de medicina em Manaus. Para isso, conta o Dr. Martins, o Instituto adquiriu o prédio para essa finalidade.
Situado na rua Duque de Caxias, onde funciona o Amazonprev
A ilustração não deixa dúvida de que o edifício estava situado a rua Duque de Caxias, o mesmo que abrigou recentemente o Ipasea, hoje é ocupado pela Amazonprev e, breve, será leiloado.
Edifício pertencente a Amazonprev
 Na reportagem de O Jornal sabe-se que as instalações estavam prontas, faltavam os equipamentos e outros apetrechos para as aulas. Para contornar esses empecilhos, o presidente do Instituto conseguira se entrevistar com o presidente Getúlio Vargas, que prometeu verbas para a consolidação do sonho.
Tudo indica que nenhuma verba foi alocada, ou veio pelo Guaramiranga. A faculdade não saiu do papel, o prédio depois passou para a gerência do governo estadual, e o ensino de medicina é ministrado no entorno do Hospital Getúlio Vargas (quanto contassenso).
O Jornal. Manaus, 5 ago. 1952
Fica assim registrado o empenho do Dr. Miguel Martins.