CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

16 de março de 2013

AMBRÓSIO AIRES, O BARAROÁ

Ambrósio Aires, o Bararoá
O município de Autazes nasceu com a denominação de Ambrósio Aires, um controvertido personagem da campanha da Cabanagem (1835-40). A instalação daquela localidade coube a outro personagem, este integrante do judiciário e agente da literatura amazonense. Falo de Otaviano Mello, autor de vasta bibliografia e que nos legou o multiartista Anísio Mello, este desaparecido em abril de 2010.

Otaviano, para explicar a motivação do nome de Ambrósio Aires no município, fez circular um pequeno jornal. Intitulado AUTAENSE, existente na Biblioteca Mário Ypiranga, nele o promotor Otaviano elaborou pequena biografia e publicou uma foto do homenageado. Veja a reprodução abaixo (em azul).

Título da publicação em Autaense
A fotografia é, sem dúvida, o meio mais seguro e prático para, em curto tempo, se gravar na memória os fatos de maior ou menor importância histórica. Qualquer pessoa ou acontecimento de que falarmos, mui instintivamente, desenhamos dele, mentalmente, os traços fisionômicos, os seus protagonistas e, até suas consequências.
Assim, o distinto leitor já deve ter feito uma ideia de como era Ambrósio Aires, este que legou o seu nome a nova povoação que se ergue no rio Autaz-açu, patrocinada por bons brasileiros, e cujo retrato ilustra a nossa capa.
Ambrósio Aires só podia ser moço e forte, afeito as lutas e as vitorias de que se cobriria no período de 1835 a 1838 contra a Cabanagem. Estampando o seu retrato, oferta valiosa do prof. Célio Porciúncula, exímio pintor maranhense, ao presidente do Sindicato Agropecuário Autaense, prestamos-lhe justa homenagem.

Da preciosa oleografia do Caudilho de Bararoá, foi tirada a cópia por dona Esther Thaumaturgo Soriano de Mello, esposa do signatário do presente artigo, de onde fizemos a fotogravura.
Aproveitamos o ensejo para dizer algo mais sobre a personalidade de Ambrósio Aires. A sua nacionalidade é um ponto que tem sido muito discutido e motivo de controvérsia. Segundo as noticias colhidas nos nossos arquivos, chegamos à conclusão absurda de que Ambrósio Aires era “alemão”, “peruano”, “inglês”, “português” e “brasileiro”; era branco de cabelos louros; era trigueiro, de físico atraente etc.
O retrato de Bararoá parece vir esclarecer essas dúvidas. Os seus traços fisionômicos dizem mais do que as contradições dos escritores. Como europeu só poderia ser português, tanto pela expressão do seu rosto como pelo próprio nome. Entretanto, as características de Ambrósio Aires são da raça vermelha povoadora da América. De todas essas versões, embora um pouco romântica, a que mais se aproxima dos traços físicos de Ambrósio Aires é a de Francisco Amorim, que diz: “Era um moço de pouco mais de trinta anos, baixo, trigueiro, de olhos castanhos, olhar firme, boca rasgada e imperiosa...”.
Em um dado momento, no auge da luta Ambrósio Aires se dirigindo a um francês disse: “O senhor é estrangeiro e pode, querendo, abster-se de tomar parte na causa...” Ambrósio Aires, enfim, não parece estrangeiro, mas, simplesmente abuuna (sic). 

* * *

Ambrósio Aires foi um deportado para o Rio Negro, logo após a abdicação de 7 de abril de 1831. Naquele rio que banha as nossas, antiga e atual, capitais, Barcelos e Manaus, havia a pitoresca povoação de Bararoá, que Mendonça Furtado, em 1758, elevou à vila mudando-lhe o nome para Thomar e que, em 1833, recebeu a sua primitiva denominação.
Dai surgiu o seu conhecido nome guerra – Bararoá.

Em Bararoá, Ambrósio Aires fez fortuna, casou-se e adquiriu amigos e prestígio. No período da Cabanagem, no seu belo degredo, tomou a resolução de defender a Comarca do Alto Amazonas e, além de expor a vida às sanhas inimigas, desordenadas, tangidas pelos cabanos, dava ainda os seus bens para garantir as despesas que fizessem em defesa do povo amazonense, se o governo não as aprovasse.
Assim ele escreveu: “quando o governo não aprovar a despesa feita, obrigo-me com os meus bens”. Com estas palavras escritas por Bararoá na ata das sessões da Câmara, esta não ousou mais recursar-se. Ambrósio Aires, no início da luta, já possuía bens, bastante para garantir as despesas de uma guerra. Em 1835, depois de feitos heroicos, foi o destemido confirmado no posto de capitão comandante das Forças Legais do Alto Amazonas.
Os bons e os justos rendem-lhe as homenagens que se fez credor pelos seus serviços à nossa Pátria e especialmente ao Amazonas.
Entretanto, outros afirmam que ele faleceu no rio Autaz, no dia 6 de agosto de 1938.

Até bem poucos anos havia um Sr. Cruz, macróbio respeitável, domiciliado neste rio, que dizia saber o lugar onde Ambrósio Aires tinha sido sepultado, na atual “Fazenda Bararoá”, propriedade do Sr. coronel Antônio Soares.
Devido os numerosos janeiros e cruciantes reumatismos, o velho Cruz, como era conhecido, faleceu sem nos mostrar o túmulo histórico, perdido no grande campo, certamente numa das partes mais elevadas da aprazível fazenda, que recebeu o seu proclamado nome de guerra: Bararoá!
Assinado: O. Mello (Otaviano Mello)