CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

7 de março de 2013

OS PALÁCIOS DE MANAUS

São quatro as edificações que tomam essa designação na capital do Amazonas, certamente plagiando tais terminologias provinciais. Não me cabe explicar muito, até pela incapacidade própria sobre o assunto.
Estou convicto de que a hierarquia dos palácios é a seguinte:

Palácio da Justiça, 1979
  1)               em julho de 1900, foi inaugurado o Palácio da Justiça, que depois tomou o nome de Clóvis Bevilaqua. Construído na avenida Eduardo Ribeiro, sempre serviu a Justiça estadual, até sua desativação quando passou a abrigar o Centro Cultural.


2)               em 1917, o governador Alcantara Bacelar adquiriu o casarão de Waldemar Scholz, existente na avenida Sete de Setembro. Após uma reforma, ali foram instaladas a sede do governo e a residência oficial, com a denominação de Palácio Rio Negro  (foto acima, de 1976).



3)               o interventor Álvaro Maia, em 1932, inaugurou o Palácio Rio Branco (acima, em 1983), destinado a concentrar a administração do governo, pois, então havia apenas uma secretaria de Estado com diversos departamentos. Posteriormente, o governador João Walter repassou este prédio para a Assembleia Legislativa do Estado. Hoje, abriga outro Centro Cultural da cidade.
 
 
4)               o quarto foi construído no bairro da Cachoeirinha para abrigar o Departamento de Estadas de Rodagem do Amazonas (Deram). Por isso, alcunhado de Palácio Rodoviário (acima, registro de 1965). Ali serviu de residência oficial do governador João Walter (1971-75). Com o desaparecimento deste órgão estatal, o edifício foi adaptado para abrigar a escola de saúde da Universidade do Estado do Amazonas.