CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

23 de maio de 2010

Memorial Amazonense XXII

Maio, 23

1910 – Centenário de nascimento, em Manaus, Stenio Neves, que se notabilizou na cidade ao exercer o cargo de Chefe de Polícia (1957). Os integrantes da terceira-idade hoje ainda recordam do método pouco ortodoxo empregado pelo chefe. O de permitir que policiais seviciassem presos, em especial os ladrões, na estrada então conhecida por BR-17 (em nossos dias, a estrada Manaus-Itacoatiara). A má fama custou-lhe o cargo, substituido pelo bacharel José Bernardo Cabral, e um inquérito, do qual é desconhecida a conclusão.
Chefatura de Polícia, na rua Marechal Deodoro


Por isso, Stenio era bastante temido, daí se assegurar à época que, “em Manaus se podia dormir de portas abertas,” tal o nível de segurança conseguido pela polícia.


Era filho de Antonio Lucas Neves e de Jesuina Neves e foi casado com Tandecy Biar Neves.

Dário da Tarde, Manaus, set. 1956


Stenio começou no serviço público em março de 1938, nomeado datilógrafo da diretoria dos Serviços Técnicos do Estado. A partir de 1950, manteve amizade pessoal com os políticos trabalhistas (Plínio Coelho e Gilberto Mestrinho). Com isso, oportunizou sua nomeação de Prefeito de Manaus (1955-56), e de Chefe de Polícia, de maio a agosto de 1957.
Ainda dirigiu a Guarda Civil, organismo subordinado à Polícia Civil, em 1958. Morreu em 1978.
A Crítica. Manaus, 3 maio 1957


1913 Severino Corrêa da Silva foi nomeado comandante da Companhia de Bombeiros, subordinada a Polícia Militar. Nascido em Pernambuco, passou pelos Bombeiros do Pará antes de desembarcar aqui. Foi genitor do coronel Manoel Corrêa da Silva, comandante da PMAM na década de 1950.


2008 – Falece em Manaus, José Jefferson Carpinteiro Péres, senador da República.