CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

26 de outubro de 2014

MANAUS: 345 ANOS | 2




Alfaiataria Demasi- detalhe da contracapa
Outro livro distribuído pela Manauscult, órgão da Prefeitura de Manaus encarregado do setor da Cultura, na festa dos 345 anos da capital amazonense, foi Italianos em Manaus, de Luiz Geraldo Demasi, com a editoração de Reggo Edições.

A justificativa da empresa municipal para a produção deste livro, veio registrada pelo presidente do Conselho Municipal de Cultura, Márcio Souza. Escreveu ele que os membros deste Conselho, “por unanimidade, aprovaram direcionar todos os recursos para um só objetivo: a memória da cultura de Manaus”. Dessa maneira, o projeto tomou o nome geral de “Memória Reencontrada”.

O advogado Geraldo Demasi integra uma distinguida família italiana, cujo patriarca desembarcou no final do século XIX em Manaus. Demasi trabalhou cerca de dez anos para completar seu livro, explicando aos seus e, agora, aos amazonenses os motivos dessa mudança. Tanto que o autor dedicou sua obra aos seus “bravos e honrados antepassados” nos dois ramos genealógicos.

Apreciei o livro do Demasi, a quem conheci na Faculdade de Direito. Acredito que abrirá as portas para que outros estudiosos lembrem outros imigrantes, pois esse é o interesse do Conselho. Aproveito para falar por mim, filho de peruano que chegou nesse rincão aos dez anos, em 1927. Morreu em maio passado, aos 98 anos. Deixou-me boas e intrigantes histórias, algumas já relatadas nesse espaço. Vou prosseguir, lembrando outras figuras do Peru que por aqui passaram.

Demasi é conhecer de cinema, dessa maneira, não me intriguei com o relato dele sobre o “cine Bijou” e outro de nome Hervet, tido “como o primeiro a ser montado no Brasil”. Todavia, vou recorrer ao amigo Ed Lincon, que possui a descrição de todos os cinemas de Manaus, para que me atualize ou que Ed se atualize.
Capa do livro

Outra questão trivial diz respeito ao sobrenome de dois camaradas do quartel da Polícia Militar. Os coronéis Assante (falecido) e Alfaia consideram-se como oriundi. De fato, encontrei um Assanti, mas Alfaia ali não se encontra.  
Apesar dos detalhes, o livro sobre os Italianos em Manaus merece uma leitura. Vamos encontrar nele uma gama de informações sobre a Manaus antiga, do modo de vida e dos divertimentos, as mesas fartas e os concertos domésticos, e outros detalhes surpreendentes.

Para quem foi à festa da Manauscult, o livro saiu na “camaradagem”.