CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

7 de maio de 2013

BANDA DE MÚSICA DA PMAM: 120 ANOS



Banda de Música da PMAM, 1956
A Banda Música da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) completa 120 anos, espalhando sonoridade e satisfação no Estado, mas já desfilou em outros recantos do país. Hoje, possui a denominação de coronel Afonso de Carvalho (que foi comandante da PMAM e, sendo presidente da Assembleia Legislativa, governador do Estado, entre 1907-08), em homenagem ao seu criador.

Entretanto, durante décadas quase nada se sabia sobre este serviço, sua inauguração, seus maestros, até que, em 1993, em artigo jornalístico, elaborei uma retrospectiva, sugerindo uma data de fundação. A fonte encontrava-se no Relatório expedido por aquele oficial, quando comandava a corporação entre 1892-96, ou seja, durante o governo de Eduardo Ribeiro.

Duas datas limitam o aparecimento da Música na Polícia Militar. A primeira, de janeiro de 1892, o Tesouro do Estado informa ao governador que recursos haviam sido empenhados para aquisição de equipamentos destinados àquela corporação militar. E, elucidando melhor essas providências: José Cláudio Mesquita, representante da casa J. H. Andresen, então na Europa, havia recebido através do London Bank, a quantia de sessenta e oito contos de réis destinados a aquisição de armamento e de instrumental destinado à Banda de Música do Batalhão de Polícia (como passou a ser conhecida a PM na abertura do regime republicano).

A referência posterior é de 3 de junho de 1893, data de outro Relatório. Neste, o comandante do Batalhão Militar de Segurança (nova denominação da PM), major Raymundo Afonso de Carvalho (foto), detalha ao mesmo governador a situação da força estadual. Entre outras informes, assegura que a Banda de Música já funcionava, já musicava o quartel da Praça da Polícia e os coretos de Manaus.

Todavia, este Relatório não aponta a data da inauguração da Banda, apenas delimita o período. Acredito que entre a compra do instrumental na Europa e a chegada nesta capital, a par da contratação de músicos, talvez selecionados no Nordeste, como seguidamente ocorreria, tais provimentos devem ter consumido uma boa temporada.  
Ora, diante da inexistência de data inaugural da Música, entendi que a datação deste Relatório poderia ser utilizada para esse fim. Afinal, a própria corporação sofre desse mal, apenas conhece o documento originador de sua fundação, do qual toma a data para sua festança natalícia.  Logo, por que não estabelecer o 3 de junho de 1893 como a efeméride máxima da corporação musical?

Depois de minha publicação que, de pronto, não teve acolhimento, veio o trabalho acadêmico de Pedro Carlos Barroso Augustinho, membro da corporação musical. Discente da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), ao final do Curso de Música, escreveu “A música na Polícia Militar do Amazonas: das origens à Primeira Guerra Mundial (1850-1910)”. Augustinho (seu nome de guerra), logo no Resumo, questiona: não podemos nos referir a este registro – 3 de junho de 1893 – “pois, em 5 de agosto do ano anterior, assume a regência dela o mestre de música Cincinato Ferreira de Souza”. De certo, amparado pelo decreto nº 11, de 13 de janeiro de 1890, que organizou a Força Militar Estadual e “mostra a formação de uma Banda de Música composta de 16 músicos e 9 corneteiros”.

Cincinato Ferreira de Souza, portanto, é o primeiro maestro da “Banda de Música coronel Afonso de Carvalho”. A relação dos dirigentes desta é outra questão ainda desafiadora, pois são conhecidos, como veremos adiante, apenas parte deles. (segue)