CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

11 de agosto de 2010

Professor José Nogueira

Na sessão de hoje do 2º Festival Amazonas de Dança, no Teatro Amazonas, a Associação de Profissionais de Dança do Amazonas (Aprodam) homenageou a dois entusiastas desta arte. Um dos premiados foi o professor José Rezende, cultor da dança clássica, que já espalhou grande número de alunos em nosso Estado. Sua saúde não permitiu o comparecimento do mestre. Os aplausos, porém, expressaram com justiça a relevância de José Rezende .

Em seguida, foi chamado ao palco o professor José Nogueira, entusiasta da dança folclórica, no seu sentido mais autêntico, segundo confessou na sua fala.
Compareci entusiasmado, convidado pelo Nogueirinha, como é carinhosamente tratado pelos mestres e alunos do IFAM, antiga Escola Técnica. Ali, ele ensina com devoção as maneiras de melhor reproduzir nosso folclore.
Conheci ao Nogueira no Seminário São José, na década de 1960, onde estudamos pensando no chamado da Vocação. Não deu. Seguimos caminhos diversos, mas a amizade perdurou. Agora compreendo a vocação do Nogueira pelo folclore, foi no Seminário que tudo começou. E o ponto de partida foi a organização do Boi Soberano, de responsabilidade do Zé Nogueira.

Nogueira (centro) no Seminário São José, c1965

Depois veio o convite para ensinar na Escola Técnica, onde conquistou a todos. Veio igualmente a decisão de manter o presépio familiar, que já se prolonga por décadas. A cada Natal, Nogueirinha ilumina sua casa e nela expõe um mundo de luzes e de Fé.
Parabéns, caro amigo Nogueira.

Nogueira (camisa azul) encerra o presépio em sua residência,
janeiro 2010