CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

17 de julho de 2010

Os Bombeiros do Amazonas IX

O efetivo da Companhia de Bombeiros Municipais, no início de 1962, demonstrava uma perda considerável em relação ao ano anterior. Precisamente no pessoal básico, pois havia somente 12 soldados. Como relatei anteriormente, o tempo e as medidas administrativas começavam a mudar para melhor a organização.

A Gazeta. Manaus, 28 out. 1951

O marco dessa renovação pode ser estabelecido com a eleição do Prefeito de Manaus, em 7 de janeiro. Apoiado pelo Governador Gilberto Mestrinho, foi eleito Josué Cláudio de Souza, do PTB. O catarinense Josué Claudio, que desembarcara na cidade para cuidar dos Diários Associados, agora era o proprietário da Rádio Difusora do Amazonas, e desfrutava a imagem de político vitorioso realçada pelo poder da palavra fácil e repleta de entonação, especialmente quando apresentava, às doze horas, a Crônica do Dia. Em 23 de fevereiro, Josué Cláudio substituiu ao Loris Cordovil na Prefeitura de Manaus.

Quartel do Corpo de Bombeiros, no Canto do Quintela,
na av Sete de Setembro com a av Joaquim Nabuco, em 1965


Os bombeiros permaneciam alojados em um galpão situado nos fundos do Paço da Liberdade. O Prefeito empossado empenhou-se em melhorar o aquartelamento, apesar de tantas dificuldades encontradas. No entanto, somente em março do ano seguinte os bombeiros foram transferidos para o Quartel do Canto do Quintela, ou seja, na avenida Sete de Setembro quase esquina da avenida Joaquim Nabuco. Ali permaneceram até 1974.

Situação atual, em 2010

No local, funcionou por anos o Museu do Homem do Norte, sucursal da Fundação Joaquim Nabuco, sediada em Recife (PE). Hoje o prédio se encontra abandonado.