CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

7 de julho de 2010

Almoço dos velhos coronéis

Acredito que  foi o comandante da Polícia Militar, coronel Mário Ossuosky, que institucionalizou o hábito do almoço mensal de oficiais mais graduados e de sua simpatia em restaurante da cidade. Por isso, denominado de almoço dos cardeais.

Major Alfaia, capitão Nogueira e Orleilson, ontem, c1978

Claro que os não convidados reclamavam, sentiam-se discriminados e, por inveja ou outro sentimento, torciam para que a turma privilegiada sofresse aquela indisgestão. Mas, como o santo da turma era forte, nunca tal aconteceu. Acontecia quase sempre uma salutar ressaca.

Tenentes Osório, Carlos, Roberto, Ruy, Okada, Ilmar e Amilcar
- anteontem -, 1966

O comando de Ossuosky, o mais longo no Governo Militar, durou por quase cinco anos, a partir de 1975. Teve, pois, oportunidade para revolucionar a corporação, e conseguiu. Impulsionou-a em várias dimensões.  
Um dia, Ossuosky se foi, vieram outros comandantes do Exército, depois foram os da própria PMAM, mas uma turma manteve o hábito do almoço: velhos coronéis. (Cardeais hoje andam muito empenhados na defesa da fé).  Apenas, o encontro passou a ser mensal, na última  sexta-feira do mês, claro, depois que o salário entra na conta.

Coronel Valente e Abelardo, 2008

Quase sempre recebemos um convidado, que nos anima em prosseguir, apesar das restrições alimentares da maioria. E da baixa de algum integrante.
Fica aqui registrada a confraria dos velhos coronéis, que vai se reunir brevemente no Hotel Confort, em 30 de julho.
Você é nosso convidado.



Osório (à esq) e Eber, 2009
Amilcar e Ruy, 2009



Assante (falecido mês passado), Cavalcanti e Medeiros (à dir)

Coronel Alfaia, sem restrições