CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

12 de novembro de 2015

PREFEITO OSORIO FONSECA

Em homenagem aos amigos Osório Fonseca Neto e Ozorio José Menezes Fonseca, transcrevo (em duas partes) uma entrevista do saudoso prefeito Osorio Fonseca, que dirigiu o município de Itacoatiara no afastado ano de 1944.


Fac-símile da página jornalística


Itacoatiara e seu atual governo municipal
Fala a O JORNAL, sobre os problemas da coletividade que governa, o prefeito Osorio Fonseca (*)

A reportagem do O JORNAL teve a oportunidade de avistar-se, ontem, com o Sr. Osorio Fonseca, o atual prefeito de Itacoatiara, um homem criterioso e digno, dotado de espírito claro e de inteligência ágil, que o interventor Álvaro Maia foi buscar às suas atividades no comércio e na indústria, para dar à principal comuna do Estado o administrador que seu povo reclamava e que a importância do município exigia. 
O Sr. Osorio Fonseca é um homem simples, cordial, de palestra saudável. Antigo jornalista, mais tarde deixou a imprensa, como abandonou também a política, para fazer carreira no comércio e na indústria da madeira e da borracha. 
O povo de Itacoatiara, geralmente, o estima, e não há naquela terra ninguém com tanto prestígio e tão benquisto. Sua nomeação marcou um legítimo acontecimento coletivo na cidade que tanto lhe deve, foi uma festa de que participou toda a população. 
A nossa palestra com o prefeito de Itacoatiara foi rápida.
Estava ele assoberbado de afazeres, preparando-se para regressar, hoje, à sede de seu governo, depois de ter trazido para apresentar ao interventor Álvaro Maia, e ao Dr. Ruy Araújo, secretário-geral, importantes planos, vitais para a coletividade que governa.  

O ABASTECIMENTO D’ÁGUA À POPULAÇÃO DE ITACOATIARA

 Um desses planos diz respeito ao abastecimento d’água à população de Itacoatiara. O Sr. Osorio Fonseca entrou em contato com o SESP e trouxe à Interventoria um esquema para aquele serviço público, que Itacoatiara urgentemente reclama.Elaborado pelo capitão de engenheiros E. S. Wagner, do exército dos Estados Unidos, chefe da Divisão de Saneamento, setor do Estado do Pará, do SESP, o projeto é de tal relevância e representa uma possibilidade de tal modo excelente de executar aquele serviço, em condições excepcionais, que não temos dúvida em antecipar que a Interventoria dará inteiro apoio ao Sr. Osorio Fonseca. 
O projeto, em linhas gerais, compreende a construção de um poço, de um tanque de 10 a 12 metros de altitude, com capacidade para o abastecimento de todo o perímetro urbano da cidade, e a instalação de um motor-bomba a óleo. A água do poço será bombeada diariamente para o tanque, e daí, pelo próprio peso para o sistema de tubulação da cidade.
Custará a instalação geral cerca de Cr$ 500.000,00, dos quais a Prefeitura entrará com a metade (ou sejam, cerca Cr$ 250.000,00, entrando o SESP com a outra metade, estando compreendido neste total todo o sistema de tubulação pública, exceto as, derivações, que serão as custas dos consumidores. (...)
 
Para realizar obra de tamanha significação para a vida coletiva de Itacoatiara (e nós bem podemos julgar sua utilidade, auscultando os nossos próprios sofrimentos), pretende o prefeito Osorio Fonseca pretensão justíssima, em face da situação daquele município, cujo orçamento não suporta despesa desse volume, num único ano que o Estado conceda à sua comuna um adiantamento de C$ 250.000,00 ou pouco mais, cuja liquidação se fará do modo que a Interventoria achar mais conveniente, oferecendo o prefeito, inclusive, para a amortização e liquidação total, as rendas do próprio serviço de águas, descontadas apenas as cifras de sua manutenção. 
É, como se vê, uma oportunidade única para Itacoatiara, que não a pode deixar passar, e estamos certos de que o Interventor Álvaro Maia, que jamais, na solução dos problemas amazonenses esquece o interior, dará ele apoio e a sua autorização para a plena execução do notável plano.

 2. A ENCAMPAÇÃO DO MATADOURO MUNICIPAL

 Outro problema que trouxe o prefeito Osorio Fonseca a Manaus foi o projeto de encampação do Matadouro Municipal de Itacoatiara, de propriedade particular. Faltam 6 anos para a conclusão do contrato entre a Prefeitura e a empresa proprietária daquele estabelecimento de serviço público, e o prefeito entrou em entendimento com a referida empresa, estando esta pronta a concordar com a encampação, desse que seja indenizada do prazo de exploração que ainda lhe resta, por cifra razoável.Seria um importante serviço que passaria ao patrimônio municipal, destinando-se a se tornar, no futuro, em fonte de renda da comuna. 
Para a execução desse plano, também necessita o Sr. Osorio Fonseca do auxílio do Estado, nas condições propostas para a fundação do serviço de abastecimento d’água. Um e outro projeto estão orçados em cerca de Cr$ 300.000,00, o que não representa grande importância, representando, porém, inestimável serviço, que Itacoatiara ficaria a dever à administração do ilustre amazonense que governa o nosso Estado. 
Além da cifra destinada à sua encampação, o Matadouro reclama obras de importância reduzida em algumas dependências, tudo não excedendo, porém, daquele total de Cr$ 300.000,00.
Tem o Sr. Osorio Fonseca um plano interessante para o aproveitamento das campinas anexas ao Matadouro, mas está visto que somente poderá leva-lo a efeito desde que passe o estabelecimento ao patrimônio municipal.
 
O plano consiste na criação de rebanhos de carneiros, cabras, suínos e aves nos terrenos do Matadouro, objetivando a formação de gado para corte, de modo a solucionar, em parte, o problema alimentar de seu município. (segue)

(*) O Jornal, 5 de agosto de 1944