CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

8 de março de 2012

Nelson Porto


Jornal do Comércio, 27 nov. 1993

A Filatelia em Manaus, conforme postei no início da semana, segue reagindo. Mas, são poucos, raros os filatelistas, e os motivos do vácuo são muitos. Durante décadas, pelo que se conhece do movimento filatélico local, um nome marcou essa atividade: Nelson Porto. Um dia, Porto aportou em Manaus e comeu do nosso jaraqui e aqui... foi sepultado, aos 83 anos.
Quem narra parte dessa odisseia é o Zemaria Pinto (hoje pertencente a Academia de Letras, profícuo prosador e versejador), que produziu o texto para a coluna O Fingidor, que ele editava para o Amazonas Em Tempo. Ocorre que o homenageado, colunista do Jornal do Comercio, publicou neste matutino.

Os 70 anos de Nelson Porto

Zemaria Pinto

O nascimento em Santos aconteceu por acaso. Naquele 29 de novembro de 1923, os Porto estavam a caminho do Rio de Janeiro, vindo de Porto Alegre. 39 anos mais tarde, Nelson veio para Manaus, como engenheiro da Esso, com a expectativa de passar três meses. Já lá se vão mais de 30 anos. Acasos...

Mas não foi por mero acaso que a música tomou conta deste senhor alto, magro, de fala pausada. Aos 12 anos, pelas mãos de seus pais, começou a frequentar as temporadas líricas do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, aprendendo a admirar os grandes nomes da época: Beniamino Gigli, Bidu Sayão, Tito Schipa, Silvio Vieira, Erna Sack e tantos outros que a memória desfia sem qualquer esforço. Tomou contato também com os grandes virtuoses do violino e do piano, como Rubinstein, Brailowski, Kreisler, Cortot e Odnoposoff quando estes mestres visitaram o país.

Mas foi só a partir de 1941 que Nelson começou a se interessar por música como uma atividade muito além do simples diletantismo. Passou então a sistematizar seus estudos, chegando mesmo a frequentar aulas ministradas pela festejada pianista Madalena Tagliaferro.

Sócio da Cultura Artística e da Orquestra Sinfônica Brasileira, na época dirigida por Eugen Szenkar, Nelson Porto passou a acompanhar todo o movimento musical da cidade do Rio de Janeiro: "Praticamente todas as semanas eu estava ou no Municipal ou em outro local, vendo e ouvindo música, e, o mais importante, aprendendo”. Em 1955, entra para o grupo Mardi Musical, cujo objetivo único era, em reuniões semanais, ouvir
sica.
Nelson Porto, Jornal do
Comércio, 2003

Nelson recorda que nos sete anos que se seguiram ouviu, graças àquele grupo, praticamente tudo o que havia sido-gravado de música no mundo. Perguntado sobre quais instrumentos domina, Nelson surpreende e desarma o aprendiz de repórter: "Deus não me deu o dom de tocar qualquer instrumento, deu-me a qualidade de bem ouvir e compreender a Música".

Engenheiro civil, formado em 1942 pela Escola Nacional de Engenharia, Nelson cursou, como aluno-ouvinte, a Faculdade de Arquitetura. Trabalhou,'(inicialmente, como desenhista de concreto armado, depois como desenhista de arquitetura. Como engenheiro de Fundações, trabalhou na construção do Maracanã. Entre outras empresas, trabalhou na Shell e na Esso. E como escrevemos lá no primeiro parágrafo...

Em Manaus, Nelson foi convidado pelo então prefeito, Josué Cláudio de Souza, a estender sua permanência na cidade. Foi assessor do prefeito, Secretário de Obras e Presidente do Departamento Rodoviário Municipal.

Hoje, longe de pensar em "aposentadoria", presta serviços à Semosb. Nestes parênteses, destaque-se a atuação de Nelson Porto como professor da Faculdade de Filosofia e da Escola Técnica Federal de Manaus, além de ser um dos fundadores da UTAM e da Universidade do Amazonas, onde, em junho de 1966, teve a primazia de ministrar a aula inaugural da Faculdade de
Engenharia.

Ainda pelas mãos de Josué Cláudio de Souza, Nelson inicia, em 1964, suas atividades no rádio amazonense, na Rádio Difusora. Em 1965 passa para a Rádio Rio Mar, com uma hora de programa, aos domingos, onde permanece até hoje. Com uma diferença: o programa agora tem três horas e meia, de 20h30 às 24hOO. Eu escrevi "programa"? Desculpem, o correto é "programas": "Concertos Famosos" e "No Mundo dos Clássicos". Os programas se alternam, se imbricam e se superpõem, para o deleite de seus fiéis ouvintes, que não se limitam a ouvir, mas participam dando sugestões e pedindo as peças de seu agrado.
Como no ARTLIVRE, idealizado por Nelson, nos moldes do Mardi, e realizado pelo NUAM – Núcleo Artístico do Amazonas, tendo à frente a incansável professora Ivete Freire Ibiapina. O ARTLIVRE é realizado mensalmente, há dois anos, e Nelson tem sido mais que um incentivador, tomando a direção do encontro sempre que solicitado.

Nelson Porto guarda um carinho especial pelos músicos amazonenses. Deixemos que se expresse com suas próprias palavras: "Nas minhas andanças pela música, tive a amizade e gozei da intimidade de muitos grandes artistas nacionais e internacionais: Jacques Klein, Lily Krauss, Oriano de Almeida, Maria Lucia Godoy, Nelson Freire, Arthur Moreira Lima. Mas, destaco com grande carinho a amizade com Arnaldo Rebello, que conheci no Rio de Janeiro em 1950, vindo depois a revê-lo, com grande prazer em Manaus, nas vezes em que aqui se apresentou.

E ainda Cláudio Santoro, que já havia visto
à época em que era violinista da Orquestra Sinfônica Brasileira, e em algumas apresentações de suas obras no Rio. Tive mais intimidade com o maestro Santoro na década de 80, quando o visitei inúmeras vezes em Brasília. Santoro me ofertou· algumas de suas obras, em cassetes, inéditas, as quais já apresentei em meus programas.

O desaparecimento desses dois expoentes da música erudita brasileira causou um tremendo vazio. Agora só nos resta Lindalva Cruz, a quem só vim conhecer pessoalmente em 1988, quando, depois de prolongada ausência, deu seu "primeiro" recital aqui em Manaus. De lá pra cá, sua presença tem sido constante. Parece que somente agora se lembram de Lindalva Cruz...
Lindalva, aliás, faz aniversário no mesmo dia 29 de novembro, mas como cabe a uma dama de sua estirpe, não revela a idade. E nem nós perguntamos... Parabéns pra você, também, Lindalva.

As facilidades tecnológicas oferecidas pela Zona Franca permitiram que Nelson gravasse os mais importantes recitais apresentados em Manaus nos últimos 20 anos.