CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

15 de dezembro de 2013

WALDIR GARCIA


Faculdade de Direito do Amazonas,
1969
Recorro ao saudoso mestre Waldir Garcia que, em seu livro À Sombra dos igapós, relembra a sua turma na Faculdade de Direito, turma de 1946, da qual ainda se encontra morando em Brasília-DF o poeta Aureo Mello.
 
QUARENTA ANOS DEPOIS
No ano de 1942 após aprovação no 2º ano do Curso Complementar Pré-Jurídico, no Colégio Dom Bosco de Manaus, submetemo-nos à exame vestibular e ingressamos na vetusta Faculdade de Direito do Amazonas. Cinco anos após, concluímos o curso seriado.
Nossa turma, que teve como orador o José Lindoso, era assim constituída: Antônio Barbosa de Amorim Tupinambá, Aury Góis da Silva, Áureo Bringel de Mello, Edílio Ribeiro de Farias, Francisco Zenon Teófilo Lessa, José Bernardino Lindoso, José Ivan de Hugo Silva, Kideniro Stephenson Teixeira, Mário Ypiranga Monteiro, Mário Silvio Cordeiro de Verçosa, Mozart Cervinho Martins, Mateus da Silva, Neper Antony e Waldir Garcia.
De posse dos diplomas de Bacharéis em Direito, a turma partiu para o exercício da vida profissional, e pouco a pouco fomos medrando os mais altos postos da vida pública do Estado.

Escola Técnica Federal do Amazonas, anos 1960
 
Antônio Barbosa de Amorim Tupinambá fez concurso para Fiscal de Consumo e hoje está aposentado como Inspetor de Rendas da União. Reside em São Paulo.

Aury Góis da Silva, exímia cronista social, que assinava sob o pseudônimo de "Thais", destacou-se na vida social. Foi diretora do Departamento Feminino do Atlético Rio Negro Clube, e durante mais de 20 anos promoveu a Festa das Debutantes daquela agremiação, com invulgar sucesso. Funcionária destacada da Universidade do Amazonas, para tristeza nossa faleceu no corrente ano (1986).
Áureo Bringel de Mello é procurador autárquico. Foi deputado federal pelo estado da Guanabara. Poeta, escritor, jornalista profissional e político militante.
Edílio Ribeiro de Farias não militou na advocacia. Optou, entretanto, pela profissão de Despachante, onde se houve com invulgar sucesso.
Francisco Zenon Teófilo Lessa seguiu a carreira bancária. Foi gerente do Basa em várias cidades e está aposentado.
José Bernardino Lindoso: advogado, professor titular da Universidade do Amazonas. Foi secretário de Estado de Educação e Cultura, deputado federal, senador da República e Governador do Amazonas (1979-82). Escritor e membro da Academia Amazonense de Letras.
José Ivan de Hugo Silva: advogado militante e escritor de obras jurídicas. Reside, atualmente, no Rio de Janeiro.
Mário Ypiranga Monteiro: professor, escritor, historiador emérito. Membro destacado da Academia Amazonense de Letras, sodalício que preside com invulgar proficiência.
Mário Sílvio Cordeiro de Verçosa: professor universitário, desembargador decano do Tribunal de Justiça do Estado. Já foi presidente do Tribunal três vezes, e interventor do mesmo Tribunal de janeiro a maio do corrente ano. Foi Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica do Amazonas de 1962 a 1977 e presidente da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil, em 1969. É escritor, com três obras publicadas.
Mozart Cervinho Martins foi juiz substituto da Capital. Faleceu no ano passado (1985).
Mateus da Silva é procurador jurídico da Prefeitura Municipal de Manaus. Estudioso de História da Civilização,  é considerado o maior egiptólogo existente no Amazonas.
Neper Antony: advogado brilhante e festejado jornalista, como tal destacado desde seu tempo de estudante, como colaborador da "Página Escolar" do Colégio D. Bosco, tendo merecido, por isso, elogiosas referências do então Diretor, Pe. Estélio Dálison. Nos seus escritos diários, Neper expressa a verdadeira função do jornal, que no dizer de Walter Ramos Poyares é, em resumo, "expor o homem ao homem todos os dias".
Waldir Garcia: professor decano da Escola Técnica Federal do Amazonas; membro do Conselho Estadual de Educação e conselheiro da OAB/AM. Foi juiz substituto da Capital; juiz Auditor Militar do Estado; secretário de Estado de Educação e Cultura e de Segurança Pública em Roraima, onde assumiu por diversas vezes, como substituto, o Governo daquele Território. Foi, também, diretor eleito da Escola Técnica Federal do Amazonas. É advogado militante.
Nossa formação jurídica devemo-Ia aos insignes mestres: Souza Brasil, Análio de Rezende, Manoel Barbosa, Augusto de Rezende Rocha, Sócrates Bonfim, Sadoc Pereira, Adriano Queiroz, Davi Alves de Melo, Raimundo Nonato de Castro, Abdul Sayol de Sá Peixoto, Henoch Reis, Cunha Costa, Alfredo Costa, Afonso Elvas Cordeiro e Tomás de Carvalho.
Eis, pois, numa visão rápida, os caminhos percorridos pelos Bacharéis em Direito de 1946, turma que, sem falsa modéstia, tem honrado e dignificado o nome da tradicional Faculdade de Direito do Amazonas. É o que se constata, Quarenta Anos Depois (1986), na efeméride comemorada pelos bacharéis em Direito de 1946, num lauto jantar de confraternização no dia 14 do fluente.