CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

28 de maio de 2014

COMANDANTES DA PMAM | 3

Seguindo com a relação dos comandantes da Guarda Policial do Amazonas, origem da Polícia Militar do Estado, relaciono mais três destes. Um deles era civil, isso mesmo, paisano, que comandou ainda que por brevíssimo tempo com o posto de major.

1.    João José de Aguiar, civil (posto de major) | 1879 

Natural do Ceará, nascido em 16 de junho de 1840  

Consoante a Portaria nº 162, de 19 de maio de 1879, foi nomeado comandante da Guarda Policial, comissionado no posto de major. Seguramente era civil, portanto, tornou-se o primeiro paisano a exercer esta função.
Em 1ºde julho, a presidência mediante a Portaria nº 882, e atendendo resolução da Lei nº 484, da mesma data, rebaixa ao posto de capitão o exercício do comando da Guarda. Desse modo, o capitão Aguiar continua no comando.
 
No entanto, em 16 de julho – 67 dias depois da posse – a Guarda Policial tem novo comandante. Os motivos para tão exíguo período na função foram explicados pelo presidente Sátiro de Oliveira Dias, em Falla de outubro do mesmo ano.

2.    Aristides Augusto César Pires, tenente de Voluntários | 1880-81

Natural da Bahia, nascido em 1845

César Pires tornou-se capitão ao ingressar na Guarda Policial em 23 de maio de 1878. Participante da Guerra do Paraguai como Voluntário da Pátria teve dois prêmios: a patente de tenente honorário do Exército, conforme decreto de 24 de agosto de 1870. (Por isso, a razão do epíteto de voluntários.) O segundo, a condecoração com a Ordem da Rosa, no grau de cavaleiro. Em Manaus, pertenceu à loja maçônica Amazonas. Não há informação de quando deixou a corporação, mas há assentamento de que, em 1888, era Tabelião em Mamoré (possivelmente na confluência dos rios Madeira-Mamoré).

Foi empossado em 27 de julho e exonerado em 6 de dezembro do ano seguinte. Até a ocorrência da posse do sucessor, houve dois comandantes interinos: Joaquim de Paula Ferreira Chaves, alferes honorário do Exército, em dois períodos (primeiro, 6 de dezembro a 31 de janeiro de 1882 e, segundo, 4 de fevereiro a 10 de março do mesmo ano); o outro foi Antônio Nunes Sarmento, alferes da Guarda, natural de Fortaleza (CE), nos quatro primeiros dias de fevereiro.

Tabela de vencimentos da Guarda Policial, 1883

3. João Manoel Dias, tenente do Exército | 1882-84

Natural do Rio de Janeiro, nascido em 19 de março de 1826, filho de João Manoel Dias.

Ingressou no Exército como praça, aos 18 anos, no 1º Batalhão de Artilharia, em sua cidade natal. Alcançou o oficialato como alferes, em 1856 e, três anos depois, foi transferido para a Guarnição do Amazonas, onde serviu até maio de 1863. Antes de vir para Manaus, participou da Campanha do Uruguai (1852) e da Expedição ao Rio Grande do Sul, entre agosto de 1851 e abril seguinte.

A meu ver, apesar do longo prazo desde seu desligamento do Exército, quase vinte anos depois, tenente Dias permaneceu residindo em Manaus. Tanto que, sem muita tardança o governo provincial o empossou no comando da Guarda. Assim, foi nomeado capitão comandante da Guarda Policial em 9 de março de 1882, dias antes de assumir o comando.

Em 5 de julho de 1884, escreveu significativo documento sobre a corporação, que foi encartado ao Relatório do presidente Teodoreto Souto, com o qual este transmitiu a presidência ao sucessor.
Capitão Manoel Dias deixou a administração da Guarda, sem notícia de qualquer afastamento, em 17 de julho de 1884, depois que foi reformado a 11 do mesmo mês.