CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

26 de outubro de 2010

Manaus: 341 anos



Os jornais circulados no domingo, 24 - destacaram variadas personagens e entidades para homenagear a cidade de Manaus. De fato, foi interessante, pois sempre há o que se ler.

Assim, tive ocasião para rever personagens bem distintos, mortos uns, vivos outros. Tomei ciência da origem de muitos dos que dirigem o Estado e outros departamentos.

Aprendi igualmente que muitas lojas e empresas estavam ali por questão de financiamento da campanha. Entenda bem: são os patrocinadores. Sem eles, não há salvação.

Li ensinamentos do pessoal do legislativo, de membros dos tribunais e da sociedade mais destacada. Mas, nada encontrei, uma linha sequer sobre duas entidades permanentes e institucionais. Bem mais antigas que o próprio Estado. Falo das Polícias e dos Bombeiros.

As polícias civil e militar são entidades que antecederam o 5 de Setembro, pois foram instituidas antes da elevação do Amazonas à categoria de Província. Atravessaram o periodo provincial enfrentando lutas sangrentas, ora em defesa do poder constituído e da população, ora submetidos à política contra o povo.

Sei igualmente que poucos têm admiração pelos policiais, que o ibope desse contigente de homens e mulheres é insignificante. Por isso, o local que lhes cabe no jornal é sempre nas páginas internas, circunstanciados ao combate nem sempre eficiente ao crime.
Os bombeiros, no entanto, são bem conceituados. Possuem a melhor pontuação em termos de credibilidade, de crença em seus serviços. Nem assim foram lembrados no aniversário da capital baré. Não importa. Sempre que preciso, estas organizações mostram seu empenho.

Apesar desse pouco crédito jornalístico, o Amazonas confia na força e na elegância destes policiais e bombeiros.