CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

7 de março de 2018

CORONEL NEPER ALENCAR: CENTENÁRIO



A Polícia Militar do Amazonas (PMAM) possuiu dois comandantes (àquela época não se intitulava “geral”) que estiveram envolvidos com o Nacional Futebol Clube: Alfredo Barbosa Filho e Neper da Silveira Alencar.

Desembargador Paulino Gomes, Domingos Ianaconne e
Neper Alencar (a partir da esq.)
O primeiro foi um diligente treinador, em especial das categorias de base, conhecido por juvenis. Creio por acolá fez-se amigo do governador Plínio Coelho (igualmente nacionalino) e que, ainda tenente da PM, foi alçado ao cargo de coronel-comandante. Acabou cassado pelo Governo Militar em 1964.

Ao coronel Neper coube no clube uma função mais eclética. Homem elegante, de gabinete e de boas conversas, serviu no Palácio Rio Negro quando do governo de Plínio Coelho. Entretanto, quando foi obrigado a frequentar o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, o realizou na PM de São Paulo. Aproveitou o ensejo e consolidou uma amizade com dirigentes do EC Palmeiras. Dessa amizade, surgiu um intercâmbio entre os dois clubes, trazendo benefícios ao clube amazonense, que chegou a participar da série “A” do campeonato brasileiro. Hoje, vergonhosamente, batalha na série “D”.

Em 1970, conforme o post compartilhado do extinto O Jornal (30 abril), coronel Neper acolheu em Manaus a um dirigente palmeirense, que havia seguido para Cuba, em avião sequestrado.

O Jornal, 30 abril 1970