CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

7 de agosto de 2015

NOTAS PARA A HISTÓRIA DO AMAZONAS (3)

Padre Carlos Fluhr, que também foi vigário
da paróquia de São Raimundo
A história da Catedral de Manaus foi escrita pelo saudoso mestre Mário Ipyranga Monteiro. Outras publicações igualmente secundam esse trabalho. Aqui, recolhido de um vespertino local, reproduzo um texto somente como anotações sobre a igreja da protetora de Manaus - de Nossa Senhora da Conceição.
Sem identificação do articulista, o texto, que pensei ser do padre Nonato Pinheiro, traz duas incorreções: a data da criação da Diocese do Amazonas (1892) e a posse de seu primeiro bispo (1894).

Ao texto, recuperado do Diário da Tarde, circulado em 25 de março de 1946.


Nossa Catedral: Resenha Histórica

Fora a formação histórica da Vila da Barra do Rio Negro presidida por São José, pois o "fortim de São José", garantindo a soberania portuguesa, dera início, em 1669, à nova povoação. No mesmo ano, por aqui andam os padres Jesuítas. Passam-se 26 anos. Em dias de 1695, aqui chegam os padres Carmelitas e, "nas cercanias do fortim, aproveitando-lhe a sombra protetora" erguem logo, pequena e tosca, de madeira e palha, uma capela de Nossa Senhora da Conceição. A Virgem é, desde então, padroeira do nascente Lugar da Barra, hoje a nossa Manaus. Em 1781, já em ruinas, é a capela primitiva, levantada pelos carmelitas, derrubada. 
No ano seguinte, por ordem da Junta Governativa da Capitania, o comandante do fortim de São José, começa a reerguê-la. Manoel da Gama Lobo d'Almada, governador da Província, logo no inicio de gestão, resolve por abaixo a pequena igreja, por achar muito sem arte a construção em andamento, reedificando-a totalmente. 
É a nova matriz o centro da vida cívico-religiosa do Lugar da Barra. Nela se celebram cerimonias oficiais como, em 1822 e 1824, o juramento à Constituição elaborada pelas Cortes. O ato é realizado em presença de todas as autoridades e da Câmara de Serpa (Itacoatiara), que nele vem, especialmente, tomar parte. 
No tempo em que os ideais cabanos agitam a província toda, também, na Matriz, se canta solene Te Deum Laudamus. Em 1850, violento incêndio devora a igreja da Virgem da Conceição. Passa então a servir, provisoriamente, de Matriz, a pequena capela de Nossa Senhora dos Remédios. O nome de Manaus, pequeno e sugestivo, com o sabor de novidade para o resto do Brasil, legado que é de uma tribo guerreira amazônica, substitui o de Barra de São José do Rio Negro, em 1856. 
A cidade cresce. Dois anos mais tarde, a 23 de Julho de 1858, sendo presidente da Província o Dr. Francisco José Furtado, é lançada a 1ª pedra do atual templo de Nossa Senhora da Conceição. É vigário o padre João Antonio da Silva. Em 1862 (sic), criada por Leão XIII a diocese do Amazonas, pelo desmembramento da do Pará, é a igreja de Nossa Senhora da Conceição elevada à Catedral. 
Jubilosa, recebeu Manaus o seu 1º bispo, em 1864 (sic). D. José Lourenço toma posse, na nova Sé Catedral. 
A 29 de junho de 1875, benção litúrgica dos sinos que, até os nossos dias, conclamam os fieis à oração. No mesmo ano, de Lisboa, chegam: a capela-mor, três altares e o batistério, tudo esculpido em pedra de lioz. Imponentes nas suas linhas arquitetônicas — o monumento à padroeira já domina a pequena Manaus. 
Custeadas diretamente pela Província, as obras da Catedral orçam então em 752.213$836. Encarada, desde o seu início, pelos presidentes da Província, como a obra mais importante a realizar e, até aquela data, a única que, sob garantia de lei especial, fora avaliada em preço superior ao da renda anual da Província, o templo se torna, em breve, uma realidade digna dos maiores encômios se apresenta aos nossos olhos a tarefa desempenhada, com dedicação, pelo governo da Província, no período de 1858 até 1875, tudo envidando para dotar Manaus de uma bela Catedral. 
PASSA O TEMPLO POR REFORMAS 
Das reformas por que, no decurso dos anos, passa o templo da Imaculada Conceição, a principal a assinalar é a empreendida em 1915, pelo então vigário, cônego Bento da Cunha. Constitui-se para esse fim uma comissão encarregada de levar a termo o propósito de embelezar a Catedral. Eis a comissão: Dr. Jonatas Pedrosa, governador do Estado, desembargador Raimundo Perdigão, coronel Leopoldo de Matos e Drs. Aristides Rocha e Brestislau de Castro. Tem a Sé, àquela época, um forte protetor no benemérito comendador Joaquim Gonçalves de Araújo. 
Ao tempo de D. frei Basílio Olímpio Pereira, quando é vigário o padre Carlos Fluhr, são feitos pequenos melhoramentos. Em 1945 é ainda a nossa Catedral de uma pobreza extrema: paredes lisas e caiadas. D. João da Matta quer adorná-la internamente, preparando-a para a Sagração. Convoca o seu povo generoso. 
A nave central e a capela-mor são pintadas a óleo, decoradas com símbolos litúrgicos. Orçam as despesas de pintura e decoração em Cr$ 93.801,60. E' seu atual vigário o padre Luiz Machado.
SAGRAÇÃO DO TEMPLO 
Ontem, 24 de março de 1946, 251 anos decorridos sob o olhar vigilante de Nossa Senhora da Conceição, quer a Diocese, quer o povo amazonense, proclamam-lhe os louvores, tributando-lhe fervorosa ação de graça. Por iniciativa de D. João da Malta Andrade e Amaral, o templo da Virgem, Padroeira gloriosa do Estado, recebe nesse dia, a Sagração litúrgica, enriquecendo-se, desse modo, de singulares privilégios: D. Mario de Miranda Vilas-Boas, arcebispo metropolitano do Amazonas, é o oficiante. 
A Cidade da Virgem da Conceição, hoje ainda, como nos dias remotos de 1695, sente-se feliz em ter o trono de sua excelsa rainha assentado à frente da majestosa baía do Rio Negro, definitivo, sobranceiro, a irradiar o seu doce domínio pela vastidão verde da Planície, sobre as cidades e vilas, missões e tabas, igarapés e cachoeiras, florestas e rios. 
Manaus cristã, o cérebro do Amazonas, é uma dádiva de Nossa Senhora da Conceição, a vitoriosa, e por isso é a Cidade Sorriso, o jardim mariano, a capital mais acolhedora e simples do Brasil. Cosmopolita, cidade em miniatura, tem personalidade própria, é culta, é civilizada é, sobretudo, um grito de fé nos destinos da pátria, um grito vibrante de esperança para a igreja católica. 
PROCISSÃO DAS 7 PARÓQUIAS 
Encerrando as solenidades da Semana Sacerdotal, ontem, às 16 horas, partiu da Catedral, terminando na praça Antonio Bittencourt, a grande procissão em que tomaram parte as 7 paroquias da sede episcopal, com todos os colégios e associações religiosas. 
 D. JOÃO DA MATTA ANDRADE E AMARAL 
12 anos fez ontem que, das mãos de D. Sebastião Leme, no Santuário de Nossa Senhora Auxiliadora de Niterói, recebia D. João da Matta a plenitude do sacerdócio. Era sagrado bispo de Cajazeiras, cidade do sertão paraibano. Ali, durante menos de 7 anos, teve atuação inspirada. 
Pio XII quis transferi-lo para mais vasto cenário e, sob as luzes do Espirito Santo, designou-o para a longínqua Diocese de Manaus, no grande Amazonas. A data de eleição foi a de ontem, 24 de março de 1934. 
A 21 de Outubro de 1941, toma posse o 5º bispo de Manaus. E de então aos nossos dias o desvelado pastor tem vivido a palavra de ordem do mestre, que é o seu lema: Pasce agros meos! 
A capacidade de trabalhe e o grande sacrifício que exornam a figura do guia espiritual do Amazonas são notórios. ***