CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

24 de agosto de 2015

ACADEMIA DE LETRAS DO AMAZONAS

Zemaria Pinto

Sábado passado, fui surpreendido com a ausência do acadêmico Zemaria Pinto na mesa diretiva dos trabalhos deste silogeu. Por se tratar do Diretor de Eventos e, seguramente, o realizador desse e de outros encontros. Ele havia sido substituído pelo acadêmico Moacir Andrade. A razão dessa mudança vai exposta abaixo na Carta Aberta de Zemaria Pinto, compartilhada de seu Blog Palavra do Fingidor, ao presidente da Casa, Armando de Menezes.


Carta aberta ao presidente da Academia Amazonense de Letras




Manaus, 10 de agosto de 2015

Caro Armando,

Ao longo de 19 meses, trabalhamos para colocar a quase centenária AAL no centro dos debates e realizações culturais de Manaus. Os planos eram muitos, mas as limitações foram maiores. Além de lançamentos de livros e eventos do calendário ordinário, conseguimos emplacar o Sábado na Academia, com as séries sobre os Patronos (17 palestras); Augusto dos Anjos em dois tempos (2 palestras); Márcio Souza, o mostrador da derrota (4 palestras); O pensamento amazônico (3 palestras); 60 anos do Clube da madrugada (3 palestras); A Amazônia na visão dos viajantes (5 palestras); e Arte em tese (4 palestras). A partir de maio deste ano, com a doação pelas famílias Benchimol/Minev de um piano, promovemos o Sarau na Academia, que bateu recordes de público nas suas três edições, sendo que à mais recente, realizada no último 5 de agosto, compareceram mais de 140 pessoas.

Tudo isso foi feito, meu caro, sem que a Academia tivesse qualquer dispêndio. Para tal, contamos com a colaboração de acadêmicos, escritores, professores da UFAM, da UEA e da Uninorte, além de artistas ligados à música, ao canto lírico e ao teatro. Todos, profissionais da mais alta qualificação.

Por esse motivo, causou-me espanto e profunda decepção ver estampado no folder da 4ª série dos patronos as logomarcas da SEC e da ManausCult – acompanhadas da informação de que todos os eventos da Academia deverão, de ora em diante, estampar as referidas logos.

As subvenções que a AAL recebe desses órgãos destinam-se ao custeio da instituição. Associar essas subvenções a eventos onde os profissionais participam de forma voluntária é tripudiar sobre os eventos e sobre os profissionais, que, ao aceitarem nossos convites, o fazem para a Academia e não para aqueles órgãos, que promovem megaeventos, pagando muito bem por eles.

Lembro que no dia 31 de março do ano passado, organizamos, em conjunto com a ManausCult, um debate memorável intitulado 50 anos do golpe militar. Coube ao citado órgão, devidamente referenciado no folder de divulgação, organizar o coquetel.

Assim, meu caro, sem colocar em jogo nossa amizade que já se estende por mais de uma década, e pelo respeito que tenho a você, por sua trajetória de vida, sirvo-me desta para desligar-me, em caráter definitivo e irrevogável, da função de Diretor de Eventos, que exerço pela segunda vez e que muito me honra.

Desejo sucesso na continuidade dos eventos, colocando-me à disposição para colaborar no que for possível.

Renovando meus votos de consideração e apreço, sou



Zemaria Pinto