CATANDO PAPÉIS & CONTANDO HISTÓRIAS

7 de junho de 2016

PELOTÃO DE CHOQUE/PMAM

Não devo me perdoar. Depois de vasculhar os baús de ofícios, livros de assentamentos e uma variedade de documentos da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), esqueci de mim mesmo. Afinal, possuo o privilégio de ter sido o primeiro oficial a comandar uma fração de policiamento de choque, instituída a 50 anos.
Recorte do Boletim Interno

Um pouco de história pessoal para melhor entendimento. Que sirva para iluminar com mais intensidade a dedicação que os componentes do ora Batalhão de Choque dispensam a própria organização.

Em 1966, em junho, fui incorporado a PMAM na condição de 2º tenente comissionado, oriundo do NPOR/27 BC. Encontrei na corporação estadual a repetição do Exército, em especial, na composição administrativa. Assim, ao lado do tenente Ilmar Faria, fui designado para servir na Companhia de Comando e Serviços (a famosa CCSv), sob o comando do 1º tenente Pedro Lustosa (hoje ex-comandante-geral).

No ano anterior, o governador Arthur Reis, historiador competente e conhecedor da epopeia policial amazonense em Canudos, decretou conferindo ao efetivo do quartel da Praça da Polícia a denominação de Batalhão Amazonas. Essa legislação quase nada modificou.

No entanto, vivíamos sob o Governo Militar, recém instalado em 1964. Nesse contexto, o comandante da PM (ainda não se registrava o “geral”), coronel Hernany Guimaraes Teixeira (capitão do Exército), decidiu criar uma tropa de choque. Sem formalidades, apenas restrita a publicação do Boletim Interno (BI) nº 128, datado de 11 de julho de 1966, foi criado o Pelotão de Choque.

Neste ato, o BI selecionou o pessoal (conforme relação abaixo) e designou a mim para o comando, tenente comissionado. Nada espantoso, pois, ao tempo, esse era o procedimento corriqueiro, como já acontecera no ano anterior quando da criação do Centro de Instrução Militar (CIM).

Todavia, é desconhecido o imperativo dessa iniciativa, não há registro ou considerações no ato criatório. E os oficiais então envolvidos uns não se recordam, outros “atravessaram o rio Negro”. Recordo-me que a população não oferecia comportamento mais explosivo, que exigisse um policiamento mais “eclético” que o de dupla, exercido pelo conhecido Cosme e Damião.

Assim, a corporação selecionou o pessoal nas Companhias existentes, com mais ênfase no Grupamento de Policiamento Ostensivo (GPO), que era integrado por homens de mais estatura. A mim, com 1m64, coube o comando deste Pelotão, que ficou subordinado a CCSv. Desse comando, relembro dois fatos: no desfile do Sete de Setembro daquele ano, eu mais parecia o mascote da tropa; e, no final do mês, fui nomeado delegado da Marchantaria (uma ilha submergível no rio Solimões) com a missão de preservar o gado bovino de José Nascimento, que se destinava ao abastecimento da cidade.

Enfim, não encontrei em meus assentamentos ou outro documento a data de minha dispensa ou dissolução do Pelotão. Certo que foi extinto, pois, sua criação é comemorada e aceita no ano de 1976, dez anos depois daquele ensaio. Fica aqui este apontamento para relembrar os primórdios da corporação policial militar. Contudo, desejo produzir uma placa com o nome dos primeiros “choquistas”, esperando a distinção de seus sucessores.

 
Recorte do Boletim com assinaturas dos comandantes
PELOTÃO DE CHOQUE
BI/PM nº 128, de 11 julho 1966





2º tenente comissionado Roberto (Mendonça) cmt Pelotão
3º Sargento 146 Diogo Vieira Ribeiro, GPO
Cabos       145 Tomaz Vagno da Silva, CFS
                  111 José Bezerra Sobrinho, CFS
                  462 Moacir Martins da Silveira, 2ª Cia Fzo
                  855 Fernando de Souza Brasil, idem
                  759 José Rodrigues de Souza, 1ª Cia Fzo
Soldados 268 João Pereira da Silva, GPO
                  337 José Francisco da Silva, GPO
                   358 Etevaldo Antony Fialho, 2ª Cia Fzo
                  480 Walberto Januario, GPO
                  564 José da Silva Almeida, GPO
613 Almir Bezerra, GPO
                  627 Antonio Celestino, GPO
                  631 Manuel Ferreira Lima, GPO
                  664 Raimundo Nonato, GPO
                  691 (...) Limeira Alves, GPO
695 Antonio Martins de Lima, GPO
861 Jonas Santos da Costa, 1ª Cia Fzo
         (...)  José Bento da Silva, GPO
937 Francisco Brito, GPO
1066 Antonio Campos de Souza, GPO
1073 Francisco Silva de Oliveira, GPO
1077 Roberto Hayden de Farias, GPO
1051 Francisco França da Silva, 2ª Cia Fzo
1116 João Pereira Alves, GPO
1198 Antonio das Chagas, GPO
1213 Benigno Araújo de Andrade, GPO
1218 João Batista Serrão Menezes, GPO
1222 Paulo José de Brito, GPO

1223 Francisco Alves de Oliveira, GPO